Pesquisar neste blog

sábado, 31 de maio de 2008

CCJ da Câmara planeja consultar TSE sobre candidatos processados

O presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara disse que poderá apresentar nos próximos dias uma consulta ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre a validade da candidatura de políticos com vida pregressa incompatível com a moralidade.

Na última terça-feira (27), o presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB/RJ), disse ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Carlos Ayres Britto, que poderá apresentar nos próximos dias uma consulta ao tribunal sobre a validade da candidatura de políticos com vida pregressa incompatível com a moralidade.

Carlos Ayres Britto concedeu audiência a representantes da CCJ e afirmou que uma consulta neste momento sobre o tema será bem-vinda, porque conduzirá o tribunal a se manifestar sobre ele antes do início do processo eleitoral.

"É chegada a hora de partidos ou parlamentares tomarem a iniciativa de fazer uma consulta ao TSE", disse. Ele acrescentou, porém, que a decisão será tomada "sem açodamento".

O ministro lembrou que, em 2006, o TSE assegurou o registro de candidatura a políticos com processos criminais e de improbidade pendentes. Por 4 votos contra 3, o tribunal afirmou que o princípio constitucional da não-culpabilidade, que é aplicado à área penal, não vale para matérias eleitorais. Por esse princípio, a pessoa não pode ser punida antes de sentença condenatória definitiva.

Os parlamentares disseram que estão preocupados com a eventual demora de decisão do TSE. Eles disseram que os políticos que tiverem o registro da candidatura negado pelo tribunal regional ficarão fora da disputa, ao menos até o julgamento de um recurso pelo TSE, e que por isso ficarão em desvantagem em relação aos adversários.

O presidente da CCJ informou que vai sugerir aos integrantes da comissão que a consulta seja formalizada pelo conjunto de deputados que a integram. Ele acredita que, dessa forma, o questionamento terá maior peso político e será respondido "com celeridade". (Fonte: MCCE)


Fonte: DIAP

Bacia do Jacuípe ganhará Núcleo de Penas Alternativas

O Território da Bacia do Jacuípe vai ganhar um dos 10 núcleos de Acompanhamento às Penas e Medidas alternativas, cuja sede será instalada no município de Ipirá. Pesquisas do Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN), do Ministério da Justiça atestam que o índice de reincidência cai vertiginosamente quando aplicada a pena alternativa em substituição à pena de prisão. Enquanto se apresenta um índice de reincidência de 70% a 85% entre os condenados à prisão, em se tratando das penas alternativas o índice cai para uma variação de 2% a 12%.

Através dos Núcleos será possível o acompanhamento individualizado e uma eficiente fiscalização no cumprimento da medida alternativa. O Núcleo viabilizará, através de sua equipe multidisciplinar, a verificação de todos os aspectos (psicológico, social e jurídico) que envolvem o cumprimento das sanções aplicadas. Além disso, será possível a criação de uma rede na sociedade local, de forma a incentivar a integração dos beneficiários ao mercado de trabalho e retorno dos egressos ao convívio familiar e social.

O núcleo da Bacia do Jacuípe atenderá os municípios de Ipirá, Baixa Grande, Mairi, Gavião, Capela do Alto Alegre, Ipirá, Nova Fátima, Pé de Serra, Pintadas, Riachão do Jacuípe, Serra Preta, Várzea da Roça, Várzea do Poço, São José do Jacuípe, Quixabeira. A deputada Neusa Cadore anuncia que em breve também será instalado o Núcleo de Direitos Humanos.

Fonte: http://www.neusacadore.com.br/noticias.php?codigo=137

Destaque da Mercado Abril/2008

A Revista Mercado, edição de abril destacou os esforços da Deputada Neusa Cadore, para a criação da Universidade Federal do Território da Bacia do Jacuípe.

Na Capa, a revista traz José Avelange, apresentando-o como pré candidato a prefeito de Riachão do Jacuípe e na página 06, uma matéria sobre o mesmo. Clique nas imagens abaixo e e leia as duas matérias.






















Todo o conteúdo da revista pode ser acessado no sitio www.redeartemidia.com.br

sexta-feira, 30 de maio de 2008

Façam o que diz o PSDB e PPS, mas nunca façam o que eles fazem

Postei aqui ainda esta semana, alguns fatos que nunca serão noticiados pelo PIG. O primeiro de lista foi o caso da Alstom, empresa francesa que corrompia governos pelo mundo afora. Aqui no Brasil conseguiu, sem dificuldades, corromper o PSDB através do Governo de São Paulo. Leiam abaixo os fatos que você jamais conhecerá pelo PIG.


PSDB e PPS barram requerimento para investigar caso Alstom

O deputado Carlos Zarattini (PT-SP), integrante da Comissão de Viação e Transportes (CVT) da Câmara, criticou nesta quarta-feira (28) a postura de parlamentares da oposição que barraram hoje a aprovação de um requerimento sobre os contratos firmados entre o Governo de São Paulo e a empresa francesa Alstom.

No requerimento, Zarattini convidava o secretário de Transportes Metropolitanos do estado, José Luiz Portela; o presidente do Metrô, José Jorge Fagali; e o diretor-geral da Polícia Federal, Luiz Fernando Corrêa. O objetivo era discutir os contratos da Alstom e o possível pagamento de propina a integrantes do governo paulista.

Promotores do Ministério Público da Suíça e da França investigam denúncia de pagamento de propina de US$ 6,8 milhões feito por funcionários da Alstom para ganhar um contrato de US$ 45 milhões para ampliação do metrô de São Paulo. Há suspeita também de suborno no setor elétrico.

Um ex-diretor da empresa, José Sidnei Colombo Martini, foi alçado em 1999 à presidência da Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista (CTEEP). Desde então, a CTEEP celebrou 47 contratos com a Alstom, no valor de pelo menos R$ 333 milhões.Zarattini condenou o comportamento do presidente da CVT, deputado Carlos Alberto Leréia (PSDB-GO), e dos integrantes do colegiado Vanderlei Macris (PSDB-SP) e Arnaldo Jardim (PPS-SP). “Foi um fato histórico marcante. A comissão se recusou a tomar conhecimento de possíveis irregularidades com recursos federais no metrô de São Paulo. Mais uma vez, o PSDB demonstra que só gosta de investigar quando está na oposição. Quando se trata de São Paulo, onde o partido está no governo há 14 anos, eles se recusam a atender um simples requerimento de convite”, afirmou.

Agência Informes (www.ptnacamara.org.br)

Para que serve a revista Veja?

Se você ainda não percebeu, então esteja certo que nunca vai saber com certeza quantos dedos tem na sua mão. Entretanto, se quiser apenas uma demonstraçãozinha do que ela é capaz na arte de inventar, inverter, editar, esquentar, testar hipóteses nos moldes de Ali Kamel (chefe de jornalismo da Globo), veja o post retirado do blog Por um novo Brasil.

Você confia, acredita na revista Veja, nos seus jornalistas?

Então veja isto:
Ontem na coluna do Lauro Jardim tinha está nota, alias está lá até hoje:
GOVERNO
Lula quer Pimentel na Previdência 06:50
Lula já revelou aos mais próximos que convidará o prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel, para assumir o ministério da Previdência Social, no lugar de Luiz Marinho, que deixa o cargo no dia 5 para disputar a prefeitura de São Bernardo do Campo. O próprio Marinho foi informado sobre o seu substituto. As sondagens já foram feitas. O convite ainda não.

Deputado José Pimentel
Gente isso é incrível, o Pimentel cogitado para assumir a vaga do ministro Luiz Marinho, da Previdência, é o deputado federal do PT (CE) José Pimentel. Vejam a foto ao lado. Eles de orelhada escutam conversas de corredores, ouvem falar, imaginam, e publicam a notícia como a mais pura verdade. Inclusive citando que o presidente Lula já revelou que convidará o prefeito de BH, Fernando Pimentel. O presidente Lula não revelou nada, o jornalista não apurou nada, e sai publicando o que lhe vem a cabeça. Escutou o nome Pimentel, ligou com nome do prefeito de BH, e noticiou o achismo. Impressionante!

quarta-feira, 28 de maio de 2008

Notícias que não vamos ler nunca.

Em virtude de escassês de tempo nesta última semana, reproduzo aqui alguns post´s seleiconados e reunidos no blog "blogosfera independente. O blog realiza várias pesquisas sobre matérias publicadas em outros blog's, reune e as divulgam, basicamente o que tenho feito também aqui.

Notícias que não vamos ler nunca.

* Alstom. Serra. Metrô de São Paulo.
* O que aconteceu na emenda da reeleição do FH.
* A versão do Jornal Nacional sobre o debate Collor e Lula.
* Os podres de Aécio.
* Quem matou PC Farias.
* A barriga dos jornais sobre o avião caindo em São Paulo.
* Porque o assassino da Dorothy Stang livrou a cara do mandante do crime.
* Dossiê X André X Álvaro Dias

Fonte: http://abundacanalha.blogspot.com/2008/05/notcias-que-no-vamos-ler-nunca.html

ENTREVISTA - Frei Betto voltando ao ano de 1968.

Por Glauco Faria, publicada na Revista Fórum.


Queríamos fazer revolução pelo povo e para o povo, não com o povo”.

Frei Betto ressalta a importância dos acontecimentos do ano de 1968 no enfrentamento à ditadura, mas aponta a falta de apoio popular como decisiva para a derrota dos movimentos. Em termos de militância política pessoal, o que representou o ano de 1968 para você?

- Frei Betto - Ao retroagir meu olhar ao ano de 1968, me pergunto como fui capaz de me envolver com tantas atividades. Estudava filosofia nos dominicanos e antropologia na USP; era chefe de reportagem da Folha da Tarde; atuava como assistente de direção do Teatro Oficina; militava na Ação Libertadora Nacional (ALN), comandada por Carlos Marighella. No jornal, eu monitorava as matérias sobre as manifestações estudantis e a guerrilha urbana, dando destaque a tudo que desgastasse a imagem da ditadura e ressaltasse a resistência ao regime militar. Portanto, de 1968, ao passar dos 23 aos 24 anos, guardo a lembrança de um dos mais intensos períodos de minha vida, acalentado pela vitória dos vietnamitas sobre os estadunidenses e a revolução musical promovida, no Brasil, pelo tropicalismo; e, no exterior, pelos Beatles.

- Fórum - Como você avalia a importância das manifestações estudantis daquele ano?

- Betto - Elas foram fundamentais para questionar a ditadura que, acuada, se viu obrigada a colocar nas ruas as Forças Armadas, o que induziu parte do movimento estudantil à luta armada. Essa conjuntura engendrou o AI-5, o golpe dentro do golpe militar, endurecendo o regime.

- Fórum - Qual o legado destes movimentos para os dias de hoje?

- Betto - O maior legado é a capacidade de mobilização do movimento estudantil, como recentemente se viu na Universidade de Brasília, com a deposição do reitor e do vice-reitor. Pena que, hoje, os fatores de desmobilização sejam mais fortes que os de mobilização. Mas ficou a certeza de que é na juventude que nos impregnamos de valores éticos, revolucionários, solidários, na busca de um “outro mundo (e Brasil) possível”.

- Fórum - Vendo essa época a partir de hoje, que tipo de ações você acha que foram equivocadas e quais outras poderiam ser tomadas para enfrentar a ditadura militar?

- Betto - Nosso maior equívoco foi não saber fazer trabalho político junto aos mais pobres. Queríamos fazer revolução pelo povo e para o povo, não com o povo. Era elitista nossa forma de luta. Tínhamos quase tudo: coragem (muitos morreram torturados ou baleados, deram a vida por aqueles ideais); dinheiro (das expropriações bancárias); armas (tomadas de policiais e militares); ideologia. Mas nos faltou o essencial: apoio popular.


Fonte: Blog de um Sem Mídia

segunda-feira, 26 de maio de 2008

Você acredita?

Para quem acredita em Papai Noel, em sereia, nas histórias dos filhos do boto da Amazônia, no amor de ACM pela Bahia, na ética dos DEMOcratas ou na cidadania pregada pela Rede Globo, assista sem qualquer contestação à novela "Duas Caras".
Mas se você não põe a mão no fogo pelas "verdades" e bons propósitos que tentam nos convencer acerca destas coisas, não deixe ler o post "Chega de 'Duas Caras'" no blog do Eduardo Guimarães. Clique aqui e confira.

domingo, 25 de maio de 2008

Maio, mês histórico para o mundo

É proibido proibir!
Marcelo Barros *

Esta expressão é um grito de liberdade que, para muitas pessoas mais velhas, traz recordações importantes e renova um compromisso que, hoje, toma outras formas de expressão, mas mantém sempre o significado de uma vocação para a utopia. Não a utopia compreendida como fantasia irrealizável e sim como busca de um mundo novo possível. Para você, o que evoca este grito: "é proibido proibir"? Talvez alguns lembrem as experiências de Summerhill e as idéias de A. S. Neill ao propor uma educação baseada na "liberdade sem medo". Outros pensarão simplesmente em Paulo Freire e sua pedagogia para a liberdade. Certamente, muitos se recordarão de que, há 40 anos, vários países do mundo viveram o maio de 68, com multidão de jovens nas ruas e este grito que empolgava grande parte da humanidade: é proibido proibir! Sabemos que controlar o passado é uma forma de pretender dominar também o futuro. Pode ser que este seja o motivo pelo qual esta pergunta é incômoda. No fundo, aparecem poucas matérias na imprensa sobre os acontecimentos de maio de 68 e quase sempre sob o prisma negativo. Para os que detinham o poder, tratava-se de uma contestação ao domínio da própria cultura ocidental que até ali dominava tranquilamente o mundo inteiro. E vinha aquele movimento juvenil que punha toda a sociedade em crise. No Brasil, dominado por cruel ditadura militar, o país vivia a falta de democracia, a supressão dos direitos constitucionais, a censura total aos meios de comunicação e a perseguição a qualquer oposição. Apesar disso, em 68, os metalúrgicos de Contagem (MG) e de Osasco (SP) fizeram as primeiras grandes greves de resistência à ditadura militar. Era, então, quase normal que os donos do poder julgassem que tudo aquilo estivesse concatenado. Segundo eles, operários de Contagem e estudantes de Paris tinham um só comando e obedeciam aos mesmos princípios. Havia, certamente, um agente de Moscou manipulando as teias e forçando pessoas do mundo inteiro a aderir ao comunismo internacional. De fato, naquele maio, em todo o planeta, multidões, sem ter combinado nada entre si, iam às ruas e promoviam manifestações em Paris, Londres, Madri e Roma, na Tchecoslováquia, em Moscou, em Hongkong, como em Nova York, Los Angeles, Miami, México e Panamá. Gritavam e lutavam contra os fundamentos sobre os quais se assentavam o poder social, político e religioso. Não queriam conquistar o poder. Lutavam apenas para ter o direito de decidir seu futuro contra a guerra, a injustiça, a fome, a indiferença, a corrupção. O movimento de 68 tinha um caráter internacionalista, policultural e interclassista. Possuía uma variedade de componentes que acabaram unindo as manifestações estudantis por uma relação mais justa entre escola e vida aos protestos operários por melhores condições de trabalho e salários. Em Londres e Paris, o movimento por uma outra política tomou uma cara mais artística. Em Praga, uma fisionomia mais diretamente revolucionária e aparecia como se fosse contra o império soviético. A revolução de 68 pretendia transformar o mundo através da abertura da sociedade às diversas culturas e ao milagre da beleza e da arte. Palhaços, saltibancos e atores eram os grandes apresentadores do grande espetáculo que pedia liberdade e vida digna para todos. As próprias religiões não se sentiram confortáveis com as críticas e as propostas audaciosas de 68: autonomia do corpo e revolução sexual. Entretanto, as Igrejas cristãs não podiam negar que muitas das idéias de 68 tinham sido aceitas na Igreja no Concílio Vaticano II (da Igreja Católica) e dos encontros do Conselho Mundial de Igrejas (evangélicas e ortodoxas). Na América Latina, os bispos católicos, reunidos em Medellín (Colômbia), acolheram a caminhada das comunidades eclesiais de base, aprovaram que a pastoral fosse serviço à vida e não apenas à própria Igreja e, oficialmente, aceitaram a Teologia da Libertação. Da parte evangélica, em 68 aconteceu a 4ª Conferência geral do Conselho Mundial de Igrejas em Upsália (Suécia). É significativo que o tema desta reunião tenha sido a palavra de Deus: "Faço novas todas as coisas" (Apoc. 21, 7). A assembléia foi marcada por manifestações de jovens que queriam ter o mesmo direito de participação e votos dos bispos. Esta relação entre fé e sociedade fez com que as manifestações por uma Igreja mais igualitária se expressasse também por uma sociedade mais justa e mais livre. A resposta dos governos foi brutal e, como sempre, violenta. Afinal, não se brinca com quem contesta o próprio poder. Tanques na rua assassinaram a primavera de Praga e tentaram afogar qualquer grito por liberdade. Certamente, apagaram muitas esperanças, mas não conseguiram assassinar as idéias. A eleição do presidente Fernando Lugo no Paraguai, o processo de mudanças na Bolívia, no Equador e na Venezuela testemunham que a humanidade continua desejando uma nova primavera de liberdade. Estes sonhos ajudam o sol nascer.

* Monge beneditino, teólogo e escritor. Tem 30 livros publicados.

Fonte: http://www.adital.org.br/site/noticia.asp?lang=PT&cod=33113

quinta-feira, 22 de maio de 2008

Recaída, saudades, desilusões, esperança?...

Quinta-feira, a primeira após a festa da Santíssima Trindade, dia santo de Corpus-Christi. Estou em casa, acordo mais tarde que o costume. Ajudo um pouco minha esposa nas tarefas domésticas e, sem mais o que fazer, as crianças brincando e olhando-as de soslaio, dou-lhes um sorriso, aproximo-me delas, dou-lhes um beijo afetuoso e as deixo brincar a sós.

Sento-me no sofá, nada mais a fazer. O último livro que tenho em mãos para ler já fora lido. Inquieto, enquanto minha esposa elabora as avaliações para seus alunos sento-me no chão em frente ao rack da TV e busco algo para ocupar o tempo.

De repente, vem às minhas mãos o DVD “Rio da Fraternidade”, do Pe. Zezinho.

Coloco-o no DVD player e começo a assisti-lo. Nenhuma música ou mensagem do show é desconhecida, não é a primeira vez que assisto àquela obra.

Inédita mesmo, é a ocasião. Lembro-me qual era o meu costume todos os anos, não só durante a Festa de Corpus-Christi, como também nos outros dias santos celebrados pela minha religião. Ops! Ainda tenho religião? Confesso que não sei.

O que sei é que dou graças a Deus por ter tido, se é que já não tenho. Foi a religião que me deu ferramentas para ser quem sou hoje. Foi a religião que me trouxe os momentos mais destacados da minha vida. Deu-me ou proporcionou-me adquirir um bom conteúdo histórico, social, humano e político. Como disse, mostrou as ferramentas necessárias para se conseguir certas coisas, e a minha curiosidade, persistência e inquietude me levaram mais longe do que podiam imaginar e até suportar.

Minha inquietude levou-me a discordar de alguns ensinamentos não doutrinários, mas muito difusos na igreja. Um deles é a idéia de que só a religião católica é a autêntica e a que goza de plenitude no sentido da palavra “religião” (religar a humanidade a Deus). Descobri que religião é uma grande manifestação de cultura de um povo. Nunca existiu nenhuma nação que não tivesse aspectos religiosos na sua cultura desde os tempos cujos registros históricos se pode encontrar.

Desta forma, conclui que religião é cultura, e explico: Tivesse eu nascido na Índia, provavelmente seria hinduísta; na China, talvez budista; no Marrocos, islamita; nos EUA, quem sabe, evangélico; na Inglaterra, Católico Anglicano; na Rússia, Católico Ortodoxo; em Israel, Judeu... e assim sucessivamente. Nosso contato com qualquer religião depende da nossa cultura e/ou do contato com culturas outras que venhamos a conhecer ao longo da vida e nos fazem mudar os costumes e crenças.

Ao contrário, a fé, esta sempre nos remete à crença num ser superior, no estado de vida sobrenatural, na busca da felicidade, da vida plena, do céu, do nirvana, do paraíso, da parusia, do Reino de Deus, seja lá como for que queiram chamar. Entretanto o que permanece é um sentimento emanado d' uma crença, que alimenta sonhos, abrem caminhos os mais diversos possíveis e que às vezes conduzem tanto à busca da paz, como à declaração de guerras chamadas até de “guerras santas”.

Enquanto a maneira de cultuar esse ser superior difere de religião para religião, de cultura para cultura, o sentimento emanado da fé é o mesmo. A crença n’ algo divino. Um sentimento capaz de levar gerações a defender princípios milenares. A fé é, portanto ao meu juízo, algo transcendente, enquanto que a religião é cultural.

Assim não posso afirmar que nenhuma religião é a perfeita, a que goza do status da plenitude. Tal idéia, para mim só é cabível na cabeça de pessoas retrógradas, mesmo que seja a do papa Bento XVI, líder da religião que pratiquei e/ou pratico da minha maneira torta, talvez.

Outra idéia que descobri e contra a qual lutei, é a de que minha religião, como muitas outras religiões cristãs ocupam-se muito mais em preparar o fiel para a morte do que para a vida. Dão mais destaque na condenação do pecado, do que na exaltação da virtude. Não raro, as virtudes na suas concepções, não passam de idéias moralistas ou assistencialistas, enraizadas na sexualidade e na “caridade” de dar esmola ou uma palavra reconfortante, sempre acompanhada da alusão a Deus, ser santo, milagroso, caridoso, piedoso, raramente libertador ou inteligente.

No dia-a-dia, o Deus que condena as injustiças, que liberta os escravos dos reinos: da economia opressora, da exploração do trabalho, da ignorância, das ideologias; o Deus da verdadeira fraternidade, da militância pela transformação social para uma cultura de paz, de lutas por melhores condições de vida, etc. fica relegado aos documentos (Encíclicas, exortações, declarações, constituições doutrinárias...) da religião. Coisas totalmente desconhecidas pelos fiéis, letra morta, portanto.

Falando de mim próprio, tendo nascido numa família muito piedosa e devota, que rezava o terço, fazia oração matinal, a oração do ângelus, oração antes das refeições todos os dias, em família; eu que já fiz experiência religiosa tendo sido monge por um curto período; que após esta experiência passei anos rezando três rosários por dia (o que equivale a nove terços), depois de conhecer um pouco mais sobre a doutrina social da minha religião, mudei completamente minha religiosidade (o jeito de praticar a minha religião). Não deixei de crer nem menosprezei as devoções praticadas antes, apenas percebi que elas já não eram-me tão necessárias. Descobri que geralmente quem reza demais, dificilmente tem tempo para praticar as virtudes que a doutrina ensina; que a doutrina é substituída pela devoção que por sua vez, alimenta a ignorância doutrinária.

Ao descobrir e levantar essas questões dentro da minha comunidade paroquial e diocesana, nos encontros de formação humana, social, política e catequética que tínhamos e, ao praticar a doutrina da minha religião, passei a ser olhado com indiferença, com desdém e muito combatido, até mesmo pelos dirigentes espirituais da minha paróquia, após ter corrido sérios riscos de morte, advindos de ameaças de políticos locais, por ter levado a sério a decisão de praticar a doutrina da minha religião que, aliás, é a mesma religião daqueles que me ameaçaram.

Se hoje já não freqüento os cultos praticados em minha paróquia, não significa que tenha perdido a fé, ou que desprezo a igreja católica. Não freqüento nenhuma outra igreja. Porém não estaria sendo sincero se dissesse que não sinto falta, ou saudades dos tempos em que era possível atuar como atuei nos últimos tempos. Se não freqüento mais na atualidade, é porque já não mais vejo razão lógica ou coerência em fazê-lo. Bem, creio que o motivos estão já descritos de melhor maneira num antigo post indicado pelo link abaixo:
http://facasuahistoria.blogspot.com/2008/04/mais-um-texto-do-meu-banco-de-dados.html.

Hoje, confesso que tenho uma certa apatia a padres, bispos, papa, freiras, etc. muito embora conserve uma grande amizade com algumas pessoas que fazem parte do clero e de comunidades religiosas que mereceram e conservaram sua fé de maneira mais fiel do que eu. Admiro e conservo amizade com muitas dessas pessoas e, fico a imaginar como deve ser difícil para elas pensarem como pensam e terem que se submeterem a viver segundo a tradição, tantas vezes contrária à razão, em nome da obediência que embora rime, nem sempre se coaduna com a coerência. Enfim vivem obrigadas a remar contra a maré.

Entretanto, confesso que hoje meditei sobre tudo isso, relembrei minha militância, relembrei os cultos do dia de hoje, as músicas, os gestos, as orações a oportunidade de encontrar pessoas a quem quero muito bem, com quem lá igreja nos confraternizávamos. Enfim tenho saudades de um sonho que não tem sido possível realizar na igreja comprometida com os poderes constituídos sobre a exploração e a enganação, não consigo mais militar numa igreja que após a revolução dos anos 90 (veja os post's que relatam a década de 90, na seção "selecionadas"), retrocede de tal forma que parece que nem se lembra do seu passado vergonhoso, bem como, da honrosa luta para restaurar sua imagem arranhada pela omissão e colaboração com sistemas políticos tão perversos e corruptos.

Para ser fiel à minha crença em Jesus Cristo, tive que me distanciar um pouco da igreja, mesmo que o motivo do distanciamento seja o propósito de praticar aquilo que ela me ensinou: vê em cada pessoa um irmão, uma irmã; vê nos oprimidos e nos fracos o próprio Jesus Cristo desfigurado pelo sofrimento; lutar para que o evangelho seja realmente a Boa Notícia e não uma mera pregação morta, ilusória, moralista; que o evangelho seja levado sério na busca da vida abundante, como descreve o apóstolo João no capítulo 10 do evangelho por ele narrado; para eliminar as idéias medievais do teocentrismo que retornam à igreja como se fossem coisas novas. Vejo que “O elogio da loucura”, de Erasmo de Roterdã, está mais atual do que quando foi escrito em 1509.

Para curar minhas angústias, para aliviar as saudades ao mesmo tempo em que as aumento e renovo a esperança de encontrar um espaço para militar por estes ideais e princípios, recorro às canções do Pe. Zezinho.

(...)

(interrupção por algumas horas, para atender a um grande amigo que me dá a alegria da visita e logo em seguida mais duas visita: meu e minha madrasta, ou melhor boadrasta. Outra visita feliz, do meu irmão que me dá alegria de cuidar de um dos filhos)

Tentativa de retomar...

Semana passada um colega de trabalho, que é evangélico, perguntou-me como faço para alimentar a minha fé. Ouvir as canções do Pe. Zezinho é uma das saídas que utilizo para tanto. Faz lembrar-me das minhas origens, alimentam as minhas esperanças e me faz crer que existe vida inteligente, sincera e lúcida ainda na minha (ex?)religião.

Abaixo, transcrevo a letra de umas das canções do Pe. Zezinho que compõe a galeria de arte fonológica do DVD ao qual assisti hoje, Rio da Fraternidade.

MANDA PRA FEBEM

Pe. Zezinho

Há um menino abandonado lá na rua da Graça

Estende a mão com voz chorosa a tudo mundo que passa

Tem gente que ajuda, tem gente que não

Tem gente que aproveita pra lhe dar uma lição.

Já sabe tudo de gente, ele conhece quem passa

Já descobriu que tem poder sobre quem passa na praça

Tem gente que escuta, tem gente que não

Tem gente que aproveita pra mais uma repressão

Leva esse moleque pra longe, interna esse menino sem ninguém

Na rua ele atrapalha as pessoas, melhor é interná-lo na FEBEM.

Refrão

Diz que não, que não dá, diz que dar não faz bem

Dar esmola atrapalha é melhor na FEBEM

Que o governo é quem cuida é melhor internar

Tá pedindo dinheiro, não vou dar, não vou dar.

Há uma menina abandonada lá no bar da pureza

Estende a mão com voz chorosa a quem se senta na mesa

Tem gente que ajuda, tem gente que não

Tem gente que aproveita pra lhe dar uma lição

Já sabe tudo de gente ela conhece os clientes

Já descobriu quem ajuda e quem resmunga entre os dentes

Tem gente que escuta, tem gente que não

Tem gente que aproveita pra passar mais um sermão.

Sai, sai, sai, sai desta rua menina

A rua é perigosa pra mulher

Meninas se corrompem na rua

Se prosseguir assim ninguém a quer.

Refrão

Diz que não, que não dá, diz que dar não faz bem

Dar esmola atrapalha é melhor na FEBEM

Que o governo é quem cuida é melhor internar

Tá pedindo dinheiro, não vou dar, não vou dar.

quarta-feira, 21 de maio de 2008

AUDIÊNCIA PÚBLICA DISCUTIRÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO EM RIACHÃO

No próximo dia 5, à noite, haverá audiência pública com a participação da Deputada Neusa Cadore e de representantes da UFBA e UNEB, a fim de continuar as discussões em torno da implantação de um campus em Riachão do Jacuípe. O local da audiência ainda não está confirmado. Tão logo seja possível, a divulgação será feita.

Por Mandato Popular (José Avelange)


André Coincidências

Com uma pitada de ironia, muita inteligência e objetividade, a blogueira Jussara Seixas levanta algumas curiosidades advindas de uma série de conincidências no caso do úlimo "dossiê" apresenado pelo PIG. O blog Desabafo país (Brasil) reproduziu a matéria ilustrando-a com uma charge (abaixo) bem sugestiva.
ANDRÉ COINCIDÊNCIAS

As coincidências citadas ontem na CPI pelo assessor do senador Álvaro Dias, o André Fernandes, são incríveis. Vejam que coisa, ele estava de férias, passou pelo Senado, e topa com o e-mail com a planilha dos gastos de FHC. Pasmem , o e-mail tinha sido enviado naquele dia. Documentos que fazem parte de um banco de dados da Casa Civil. Ele pega o e-mail tira cópias e vai embora sem falar nada com o senador Álvaro Dias seu chefe, segundo seu relato.Coincidentemente começa a pipocar na mídia, notinhas sobre o conteúdo do documento. Até que a Veja e o jornal Folha de São Paulo publicam os documentos com os gastos exóticos de FHC, e chama de dossiê. Coincidência também foi o André em plena férias, ir ao Senado e formatar o computador. Segundo ele informou na CPI ele faz isso várias vezes por ano. Vejam que coincidência ele formatar o computador após ter recebido esse documento, e nas férias. Isso que é chamo de funcionário competente, ele está de férias e se preocupa com o computador do trabalho, e mesmo de férias deixa o seu descanso e vai lá formatar o computador. Isso não é assim tão simples, é um processo demorado. Depois de formatar tem que instalar novamente os programas, arquivos que foram copiados em CD. Outra coincidência é que há tempos, quando ficou acertado que haveria CPI da tapioca, o senador Álvaro Dias, e o senador Arthur Virgílio já falavam em um tal dossiê que estaria sendo montado para chantagear a oposição. São mesmo incríveis as coincidências,é um fenômeno que merece um estudo mais profundo, mais cientifico. Acho até que ele poderia inspirar o Roberto Carlos a fazer uma música, "São tantas coincidências"iria fazer sucesso, como fez "São tantas emoções". O nome dele é André Fernandes, mas podem chama-lo de "André coincidências" que ele atende.

Por: Jussara Seixas
Fonte: Por um Novo Brasil

segunda-feira, 19 de maio de 2008

Salve o Cordel! Salve Miguel Lucena! Salve a Bahia!

Como sou apaixonado por literatura de cordel, não poderia deixar de postar aqui a resposta em medida exemplar ao preconceituoso e retardado Natalino, ou seria, "Mortulino"?

Cordel protesta contra agressão aos baianos

Miguel Lucena é paraibano, mora em Brasília e é baiano de coração. Trabalhou na Tribuna da Bahia e na Assembléia Legislativa da Bahia, que eu me lembre. Costuma frequentar a Barraca do Luciano, lá na praia de Pituaçu. Não deixando por menos a ofensa do coordenador do curso de Medicina da UFBA, que atribuiu ao "baixo QI" dos baianos a nota negativa da Faculdade de Medicina da UFBA, escreveu o cordel que se segue:


A vingança do berimbau

Superado pelo tempo,
Ensinando muito mal,
Fabricando mil diplomas
Para entupir hospital,
O doutor da faculdade
Botou, com toda maldade,
A culpa no berimbau.

II
Disse o doutor Natalino
Que o baiano é um mocó,
Sem coragem e inteligência,
Preguiçoso de dar dó,
Só liga pra carnaval
E só toca berimbau
Porque tem uma corda só.

III
O sujeito ignorante
Não conhece o berimbau,
Que atravessou o mundo
Com toda a força ancestral.
Na fronteira da emoção,
Traz da África a percussão
Da diáspora cultural.


IV
Nem Baden Powel resistiu
À percussão milenar,
Uma corda a encantar seis
Na tristeza camará
De Salvador da Bahia.
Quem toca e canta poesia
Na dança sabe lutar.


V
O doutor, se estudou,
Na certa não aprendeu nada:
Diz que o som do Olodum
Não passa de uma zoada
E a cultura baiana
É uma penca de bananas,
Primitiva e atrasada.

VI
Jimmy Cliffi, Michael Jackson,
Paul Simon e o escambau
Se renderam ao Olodum
Com seu toque genial,
Que nasceu no Pelourinho
E hoje abre caminho
No cenário mundial.

VII
O baiano é primitivo?
Veja só o resultado:
Ruy foi o Águia de Haia;
Castro Alves, verso-alado
De poeta condoreiro,
E gente do mundo inteiro
Se curvou a Jorge Amado.

VIII
Bethânea, Caetano e Gil,
Armandinho, Dodô e Osmar,
Gal Costa, Morais Moreira,
Batatinha a encantar
Caimmy, João, Bossa Nova,
Novos Baianos são prova
Da grandeza do lugar.

IX
Glauber, no Cinema Novo;
Gregório, velha poesia;
Gordurinha, no rojão;
Milton, na Geografia;
Anísio, na Educação;
Dias Gomes, na encenação;
João Ubaldo e Adonias.

X
Menestrel da cantoria
Temos o mestre Elomar,
Xangai, Wilson Aragão,
Bule-Bule a improvisar,
Roberto Mendes viola
A chula - semba de Angola,
Nosso samba de além-mar.

XI
Se eu fosse citar todos
Que merecem citação,
Faria um livro de nomes
Tão grande é a relação.
Desculpe, Afrânio Peixoto,
Esse doutor é um roto
Procurando promoção!

XII
Com vergonha do que fez:
Insultar toda a Nação,
O tal doutor Natalino
Pediu exoneração
E não encontra ninguém,
Nem um nazista do além,
Para tomar a lição.

XIII
O baiano é pirracento,
Mas paga com bem o mal:
Dá uma chance a Natalino
Lá no Mercado Central
De ganhar alguns trocados
Segurando o pau dobrado
Da corda do berimbau.

Riachão é notícia (vergonhosa) II

CONHEÇA RAZÕES PORQUE MP ENTROU NA JUSTIÇA CONTRA PREFEITO DE RIACHÃO

O Ministério Público Estadual encaminhou na semana passada uma Ação Penal Originária ao Tribunal de Justiça da Bahia em que pede o afastamento cautelar e a prisão preventiva do prefeito Lauro Falcão Carneiro (PMDB), do município de Riachão do Jacuípe, a 180 km de Salvador.

A denúncia é referente ao Processo 1692836-2/2007, que diz respeito ao XI Feirão de Animais e Produtos do Vale do Jacuípe, realizado no município em fevereiro de 2005. Na ação, os promotores Eny Magalhães Silva Araújo e Valmiro Santos Macedo alegam que o prefeito Lauro Falcão contratou diretamente a empresa Éshow Multishow Produções e Assessoria de Eventos Ltda para que esta fornecesse à prefeitura toldos e uma arquibancada armada em tubos galvanizados, ferro e madeira, que serviriam à Feira de Animais.

O MPE apurou ainda que "o objetivo do gestor municipal era favorecer aos seus apadrinhados políticos e colaboradores da campanha eleitoral de 2004, Sandoval de Oliveira Trindade (Sanduba) e Valdinei Pereira de Jesus (Boca), os dois sócios da empresa citada acima". Nos depoimentos colhidos pelo MP a própria secretaria Patrícia Falcão reconhece que não havia instalado a arquibancada, nem os toldos. O mais grave é que a empresa Éshow foi constituída em 14 de fevereiro de 2005, e os contratos trazem datas anteriores.

CONTRATOS
CABULOSOS

O MPE apurou também que a prefeitura contratou para o mesmo Feirão de Animais a empresa FAM Promoções e Produções Artísticas Ltda, de Feira de Santana, por R$ 4.165,00, para apresentação de grupos musicais, mas os serviços foram pagos a Sandoval e Valdinei. Foi pago ainda a Jadilson Gomes Passos R$ 10.170,00 referente serviços para a divulgação do dito Feirão.

Além disso, o MP acusa a prefeitura de ter pago ao jornal Gazeta da Bahia o valor de R$ 1.150,00 para divulgação de matéria "de interesse do município". Na ação, o MPE pede a intimação de Sandoval Trindade, Valdinei Pereira, Alberto Luiz, Antônio Roque, Patrícia Falcão, Jadilson Passos e Ricardo Freitas.

As peças foram colhidas das investigações da CEI da Câmara de Riachão e pelos promotores José Vicente S. Lima e Cristiano Chaves de Farias. Na última sexta-feira, 8, a Câmara também aprovou uma CP (Comissão Processante) e uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar novas irregularidades na administração de Lauro Falcão. A primeira é para investigar um esquema de superfaturamento de notas na compra de combustível, e a outra é para investigar um convênio entre a prefeitura e um banco popular para a concessão de empréstimos consignados a funcionários.

Fonte: http://www.bahiaja.com.br/noticia.php?idNoticia=8116

O jornal impresso vai acabar (fará falta a você?)

Interessante e imperdível a análise e a previsão futurista do juiz aposentado de suas funções na magistratura e atuante nas funções de militância pela cidadania. Vejam o que ele pensa sobre a imprensa escrita dos dias atuais.

A saída é a internet


Dentro do meu sagrado direito de liberdade de expressão, vejo de forma otimista o fato de “Menos de10% da população lêem jornal”, mesmo porque entendo que o jornal de papel não só no Brasil perdeu sua função social e qualidade, não informa, mas ao contrário desinforma. Enquanto se discute se a imprensa no papel vai acabar, defendo a tese que num futuro bem próximo os atuais jornais de grande circulação também serão gratuitos a exemplo do Metro e Destak, como amplamente sustentei na minha primeira Resenha, com base na palestra do Prof. Coelho. Sendo assim, nada mais temos a perder. Os jornais convencionais ou serão gratuitos ou terão que migrar para a Internet, mas desde que melhorem os seus conteúdos jornalísticos, porque se assim não acontecer, nem na internet serão lidos. A questão vem sendo estuda por vários anos e não se trata de uma opinião pessoal deste aluno. Em 05.04.08 enviei minha primeira Resenha sobre o assunto e em 06.05.08 uma mensagem em nosso grupo de estudo, de Jaqueline Porto repassou a notícia da Redação da agência Reuters com o titulo: “Editores apostam que jornais serão gratuitos no futuro”. ( Coloquei em negrito ). Em resumo a notícia revela que : “...editores dos mais importantes veículos de comunicação do mundo são otimistas quanto ao futuro das publicações na quais trabalham, embora achem que elas terão que se adaptar à era digital. Eles acreditam que os jornais devem se tornar gratuitos e dar mais destaque a comentários e opiniões. ( Grifei e coloquei em negrito ). No terceiro parágrafo da mensagem está dito que: “A evolução do quarto poder não é mais questão de se, e sim de como”. Os editores sabem a solução: inovar, Integrar. Ou perecer”, disse o pesquisador John Zogby.A edição da Revista Carta Capital, que comprei hoje, sábado, 17.05.08, de Nº 496, às fls. 50/51, com o destaque “A imprensa no papel vai acabar?”, inicia a matéria dizendo que: “A circulação dos maiores jornais americanos continua a cair. Os dados do fim de agosto apontam para um futuro difícil.” Depois de destacar dois tópicos: “A maioria dos jornais americanos registra queda de circulação. A internet é uma saída” ( Grifei ) e “RADICAL.O Capital Times, de Wisconsin, migrou para a web, na expectativa de difundir matérias locais com profundidade e cativar os internautas” (Novamente grifei ), conclui a matéria dizendo que “É essa a oportunidade que a internet oferece e a transição do papel para a tela, se bem-feita, pode ser benéfica e lucrativa. Como escreveu o editor Fanlund do texto de despedida da edição impressa do Capital Times. Para ele, “tudo vai dar certo”.- POR FELIPE MARRA MENDONÇA.No que se refere a Internet não estou preocupado como a Professora Bia se os grandes portais estão ligados diretamente a grandes centros produtores de conteúdo, como grandes jornais e TVs. UOL – Grupo Folha. Posso afirmar que faço minhas pesquisas e leio notícias sem utilização de nenhum dos portais mencionados. Notícias sérias e com credibilidade jamais serão encontradas nestes locais. As melhores notícias, inclusive sobre o Brasil são encontradas em Jornais e Revistas Internacionais considerados como os melhores do mundo, como por exemplo, “El Pais “, da Espanha, porque temos um jornal do mesmo nome no Uruguai, “Financial Times”, “The Economist”,etc., só para exemplificar. No Brasil, ao meu modo de ver, os melhores Jornalistas não fazem parte dos ditos grandes jornais e TVs. Sem citar nomes ou portais, posso garantir que em diversos Sites ou Blogs podemos encontrar excelentes matérias de pesquisas e jornalísticas. Os Blogs de jornalistas das organizações Globo e Folha só repetem e defendem aquilo que seus patrões determinam, sendo evidente que se escreverem e falarem em seus Blogs coisas que não estão na Cartilha doutrinária dos patrões ficarão desempregados e em pouco tempo seus sites ou blogs nem mesmo serão acessados.Também não me preocupa a afirmação de que “menos de 20% têm acesso freqüente à internet”, ou os números da Pesquisa TIC Domicílios. Não quero dizer que tais dados não estavam corretos quando foi feita a pesquisa, mas certamente estão defasados e quem diz isto é a indústria de computadores comemorando as vendas e pesquisas atuais nos levando a uma situação extremamente otimista. Abaixo explico o porquê do meu otimismo.Em 06.03.08 uma matéria informa que: A Fábrica da Dell, em São Paulo divulgou que o Brasil já é o quinto mercado mundial de computadores e deve ser o terceiro em 2010, só ficaremos atrás da China e dos EUA. Com dados estatísticos confiáveis José Roberto Caetano e Roberta Paduan da EXAME, de forma clara e objetiva demonstram que o mercado interno brasileiro, em computadores, passou de 10 bilhões em dólares em 2002 para 16 bilhões em 2007, com crescimento de 60%. Que mesmo com os 11 milhões de unidades vendidos no ano passado e apenas 23% das residências do país contarem com PCs, já atingimos o posto de quinto mercado mundial do setor. Aqui uma observação: Enquanto a pesquisa apresentada pela Professora Bia fala em 19% outra certamente mais recente já fala em 23%.Em 24.03.08 , às 14h24 a Agência REUTERS divulgou pela internet a notícia de que o “Brasil bate recorde com 40% mais internautas”. A notícia acrescenta ainda “O levantamento afirma que o tempo médio de uso residencial da Internet pelo brasileiro também bateu recorde no mês passado, avançando a 23 horas e 51 minutos, duas horas e 56 minutos acima do tempo de março. A média mantém o Brasil na liderança de tempo de navegação entre os 10 países monitorados pela empresa de pesquisa.” E continuando: “O ritmo de crescimento da Internet brasileira é intenso”, afirma o gerente de análise do Ibope/NetRatings, Alexandre Sanches Magalhães. “A entrada da classe C para o clube dos internautas deve continuar a manter esse mesmo compasso forte de aumento no número de usuários residenciais”, disse o analista em comunicado à imprensa.Em 08.05.08, ou seja, três dias após a palestra, a Agência REUTERS, às 18h36 divulga a melhor das notícias: “Até 2011, um em cada 2 brasileiros terá computador, diz FGV. A penetração de microcomputadores no Brasil deve dobrar nos próximos três anos, de acordo com uma estimativa divulgada pela Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Até 2011, um em cada dois brasileiros terá um computador, segundo o estudo. Com uma média de crescimento nas vendas de PCs de 16% ao ano, índice considerado “conservador” pelos organizadores da pesquisa, a base instalada de microcomputadores deve dobrar para 100 milhões. (Grifo e negritos meus). “Como a população cresce algo como 2% ao ano, teremos 200 milhões de brasileiros, o que equivale dizer que a penetração será de 50%”, explicou o professor Fernando Meirelles, em entrevista à Reuters. Hoje, a penetração dos PCs é de 26% dos brasileiros, índice que este ano superou a média mundial, de 21%.”A matéria continua com previsões cada vez mais otimistas, mais merece destaque o fato de que enquanto a pesquisa da Professora Bia fala em 19%, a pesquisa da Exame relativa ao ano de 2007 falava em 23% e a última pesquisa já realizada até 08.05.05 eleva o percentual para 26%. Com todo respeito a pesquisa apresentada na palestra da Professora Bia, a verdade é que acompanhar o crescimento de vendas e de números de pessoas que possuem computador de mesa ou acessam a internet é um trabalho de pesquisa quase que mensal.O Brasil já tem uma posição de destaque no uso da internet e se concretizado o programa do Governo Federal em colocar nas escolas públicas até 2010 a quantidade de 10 milhões de computadores, o que acredito vai acontecer, mesmo que se diga que por interesses políticos partidários, teremos jovens aprendendo utilizar a internet sob orientação adequada, com melhor acesso às pesquisas e informações jornalísticas.

Por: Carlos Alberto Saraiva - Juiz de Direito

Fonte: http://saraiva13.blogspot.com/2008/05/saida-internet.html

domingo, 18 de maio de 2008

A culpa não será de Lula, veja de quem será

74 municípios baianos podem perder repasses federais para transporte escolar

Em todo o Brasil, 1.032 municípios poderão perder a parcela de maio do Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar (Pnate) por estarem inadimplentes com a prestação de contas dos recursos repassados em 2007, segundo o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), que financia o programa. O prazo para prestação de contas terminou em 15 de abril. Da Bahia, 74 municípios estão na relação dos que não prestaram conta em 2007.

Como os municípios têm até abril para prestar contas dos recursos utilizados no ano anterior, as duas primeiras parcelas (março e abril) são liberadas automaticamente. A partir de maio, só recebe os recursos quem estiver em dia com o fundo. É a lei. As prefeituras precisam informar como gastaram os recursos.

A Agência Brasil informa que a parcela é debitada na última semana do mês, entre os dias 25 e 30. Até lá, os municípios que apresentarem a documentação recebem a verba. Caso contrário, perdem o dinheiro referente a esse mês.

Como o recurso é complementar, a suspensão do repasse não compromete totalmente o transporte dos estudantes. O programa é de apoio, mas a responsabilidade pelo transporte é dos municípios, e o FNDE complementa o que a prefeitura já gasta. Em algumas ele é a base, em outras é o complemento. O valor que cada município recebe é calculado conforme o número de alunos residentes em área rural, podendo variar de R$ 81 a R$ 116 anuais por aluno.

Todo início de ano FNDE enfrenta o mesmo problema. Os prefeitos sempre alegam que não sabiam do prazo. Mas isso é mentira. Quando sai a resolução do programa, é enviado um ofício circular informando que as normas estão disponíveis na internet”.
O dinheiro repassado aos municípios pode ser utilizado na manutenção dos veículos, na contratação de serviço terceirizado e na aquisição de vales-transporte em regiões em que já existe o serviço regular. Há ainda um percentual para gastos com combustível.

CONFIRA NO SITE DO FNDE


CONFIRA A LISTA DAS PREFEITURAS QUE NÃO PRESTARAM CONTAS


ESTÁ COM PREGUIÇA?

Então, segue a lista dos municípios da Bahia que não apresentaram prestação de contas (2007) do transporte escolar:

ÁGUA FRIA, ALCOBAÇA, AMARGOSA, AMÉRICA DOURADA, ANGUERA, ANTAS, ANTONIO GONCALVES, APUAREMA, ARAÇAS, ARATACA, AURELINO LEAL, BARREIRAS, BARRO ALTO, BARRO PRETO, BROTAS DE MACAUBAS, CANARANA, CANDEIAS, CANUDOS, CARAVELAS, CARDEAL DA SILVA, CARINHANHA, CASTRO ALVES, COARACI, ENCRUZILHADA, FEIRA DA MATA, FORMOSA DO RIO PRETO, GANDU, GAVIAO, GUANAMBI, ILHEUS, ITABELA, ITABERABA, ITAPITANGA, IUIU, JACARACI, JAGUAQUARA, JANDAIRA, JIQUIRIÇÁ, JITAUNA, LAGEDO DO TABOCAL, LAGOA REAL, LAJEDINHO, MALHADA, MANOEL VITORINO, MARAGOGIPE, MURITIBA, NAZARÉ, NILO PECANHA, PALMEIRAS, PE DE SERRA, PILAO ARCADO, PLANALTO, PRESIDENTE JANIO QUADROS, QUIXABEIRA, RIACHAO DAS NEVES, RIACHAO DO JACUIPE, RIBEIRA DO AMPARO, SANTA LUZIA, SANTANA, SANTO AMARO, SAO FELIX, SAO FRANCISCO DO CONDE, SAO JOSE DA VITORIA, SEABRA, SEBASTIAO LARANJEIRAS, SENTO SE, SITIO DO MATO, SITIO DO QUINTO, TAPEROÁ, TEODORO SAMPAIO, UIBAI, UMA, VARZEA DO POÇO, VITORIA DA CONQUISTA, WAGNER.

Fonte: http://bahiadefato.blogspot.com/2008/05/74-municpios-baianos-podem-perder.html

Povo Jacuipense - Terra Blog

Post extraído do blog Povo Jacuipense. Clique no link abaixo e leia o texto na íntegra.


Povo Jacuipense - Terra Blog: "O QUE ACONTECE COM A 'ADMINISTRAÇÃO LAURINHO'
categorias: Eleições

Encontro pessoas que dizem que a oposição ao governo Laurinho é exagerada porque 'os outros' fizeram a mesma coisa ou pior. Temos uma sociedade que aceita tranqüilamente a improbidade na administração pública, desde que o gestor mantenha a cidade razoavelmente limpa e os salários razoavelmente pagos. É o que acontece e não adianta denunciar, esbravejar, informar. Há uma boa quantidade de gente boa que pensa assim e ponto final. São pessoas que antes gostavam muito de mim e hoje tecem críticas amargas. Mas, eu as compreendo.
Não é demais recordar aos amigos que combatem a crítica com bastante veemência, o seguinte: Havia, em 2004, um movimento de consciências que se mostrava saturado justamente com situações históricas de improbidade e que por isso resolveu compor um grupo disposto a virar as páginas deselegantes da história da administração pública municipal. Eu embarquei nessa onda promissora e não estou arrependido.
A questão é que o Dr. Laurinho que caiu nas graças do povo e acabou convencendo também alguns articuladores da renovação política de 2004 precisava, de alguma forma, compensar o alto custo de sua campanha. O resultado das apurações do caso do feir"

Brincando também se fala a verdade e se constrói um país melhor

Temos que lembrar às viúvas do FHC, que ele foi o mais entreguista e o pior presidente que o Brasil já teve. Do alto da sua arrogância e vaidade o nosso país quebrou duas vezes. Apesar disso, fica querendo dar lição de moral ao Lula.

Refrescando a memória...

FHC pede perdão a Jesus

Fernando Henrique, ex-presidente do Brasil, vai a uma igreja e se ajoelha diante de Jesus crucificado, contrito, em oração:

FHC : - Senhor Jesus, estou totalmente arrependido e gostaria de redimir meus pecados.
Jesus : - Está bem. Que tens feito?

FHC : - Só merda. Depois de oito anos no governo, deixei meu povo arruinado e na miséria.
Jesus : - Dê graças ao Pai!

FHC : - Também traí todos que me deram apoio e quando precisaram de mim, dei-lhes as costas.
Jesus : - Dê graças ao Pai!

FHC : Privatizei quase tudo no Brasil, as estradas, a telefonia, com leilões fajutos e recursos do BNDES... Privatizei a Companhia Vale do Rio Doce, que só dava lucro ao Brasil; dei de mão beijada aos folgados daqui e do estrangeiro, e até hoje a população brasileira não sabe para onde foi o dinheiro.
Jesus : - Dê graças ao Pai!

FHC: Liquidei todas as nossas empresas estatais com a desculpa de pagar a dívida pública e, além de não pagar, deixei que a dívida quintuplicasse.
Jesus : - Dê graças ao Pai!

FHC: Mandei o Geraldo Brindeiro, conhecido na época como o 'Engavetador Geral da República' arquivar todos os processos contra mim e meus amigos, que hoje tentam sangrar meu sucessor diariamente, maquinando toda sorte de patifarias.
Jesus : - Dê graças ao Pai!

FHC: Indiquei pra Presidência do Senado por duas vezes o Jader Barbalho, mesmo após
alguns escândalos ligados ao Banco da Amazônia, o escândalo das pererecas (rãs) de sua mulher...
Jesus : - Dê graças ao Pai!

FHC: Comprei dezenas de votos para garantir a minha reeleição por R$ 200.000,00 cada
um, gerenciada pelo meu ministro Sérgio Mota. E a CPI foi mais uma vez engavetada. No total, engavetei mais de vinte...
Jesus : - Dê graças ao Pai!

FHC: Por ordem do FMI, enxuguei e quase matei o funcionalismo público nos oito anos que estive no poder, sem um real de aumento... E ninguém mais lembra disso!
Jesus : - Dê graças ao Pai!

> > FHC: Engraçado como todos reclamam dos reajuste das contas de luz e telefone de hoje em dia e se esquecem de que quem deixou que os reajustes fossem feitos pelo maior índice existente foi eu. Ainda por cima criei as agências para proteger as concessionárias que ganharam os leilões... > Jesus : - Dê graças ao Pai!

FHC: E o bom de tudo é ver que realmente a população tem memória fraca; aliás, nem memória tem, porque esses fatos aconteceram há poucos anos... da: - do escândalo do Sivam; da fraude no painel do senado (ACM e Arruda); da macro desvalorização do real; da minha alegre ajuda ao sistema financeiro e à usura com o Proer, ajuda aos bancos que estavam quebrados devido a desfalques e gerência temerária; dos casos que envolveram o Banestado, por onde os dólares saiam do país ilegalmente; Banco Marka (Cacciola); Banco Fonte Sindam... São tantos os meus pecados que até eu esqueço alguns...
Jesus : - Dê graças ao Pai!

FHC : - Mas, Jesus, depois de tudo que confessei, a única coisa que o Senhor tem para me dizer é : 'dê graças ao Pai'?
Jesus : - Sim, miserável, agradeça ao Pai que estou aqui pregado na cruz porque senão desceria daqui pra te encher de porrada!!!


Nota : Quem receber esta corrente tem o dever democrático e patriótico de retransmiti-la ao menos para 10 amigos. Se esta corrente for interrompida, AÉCIO NEVES OU JOSÉ SERRA (QUE HORROR!) será eleito Presidente e o nosso Brasil terá décadas de reinado da comunidade internacional, mais privatizações, vacas magras, terceirização do serviço público, concentração de renda nas elites, fim dos programas sociais e destruição do Estado, com repercussão direta sobre nossos filhos e descendentes até a última geração.

A DECISÃO E SUA.

Fonte: http://blogdeumsem-mdia.blogspot.com/2008/05/fhc-refrescando-memria.html

sábado, 17 de maio de 2008

Sem comentário

É de estarrecer a blindagem feita pelo PIG aos demo-tucanos.

Hoje Álvaro Dias confessou em entrevista ao Jornal Nacional que depôs na Polícia Federal há 15 dias. Passarm-se 15 dias e nenhuma notícia a respeito havia sido publicada até hoje. Ao ser entrevistado, não foi questionado por nenhum jornalista sobre as circunstâncias de seu depoimento à PF, nem a sua conduta recheada de contradições. Uma vergonha para o jornalismo. O próprio Senador afronta seus eleitores ao não dar estas informações. Um senador que não está honrando o voto de seus eleitores paranaenses. A única coisa que explica isso é: confissão de culpa no cartório! Álvaro Dias revela toda sua culpa, quando mantém um comportamento soturno e ardiloso. O Senador está mandando às favas qualquer vestígio de honra. Está apenas usando de artimanhas verbais para salvar a própria pele. O PIG deve estar envolvido até o pescoço para blindá-lo de tal forma. Álvaro Dias está com obrigação moral (se que ainda há sentido pedir isso à ele) de mandar entregar à perícia o computador do assessor André Fernandes, para provar que esta planilha não foi repassada à Revista Veja e à Folha de São Paulo, dali mesmo. O Jornal Nacional mostrou uma filmagem de longe como se fosse André Fernandes entrando na Polícia Federal. Mas nenhuma informações nos deu a respeito. Sequer disse se ele evitou a imprensa, ou se foi a Globo que manteve-se distante para fugir de entrevistá-lo. Outra vergonha de jornalismo. Por: Zé Augusto

Salve Marina Silva

Querida Marina

Caíste de pé! Trazes no sangue a efervescente biodiversidade da floresta amazônica. Teu coração desenha-se no formato do Acre e em teus ouvidos ressoa o grito de alerta de Chico Mendes. Corre em tuas veias o curso caudoloso dos rios ora ameaçados por aqueles que ignoram o teu valor e o significado de sustentabilidade.

Na Esplanada dos Ministérios, como ministra do Meio Ambiente, tu eras a Amazônia cabocla, indígena, mulher. Muitas vezes, ao ouvir tua voz clamar no deserto, me perguntei até quando agüentarias. Não te merece um governo que se cerca de latifundiários e cúmplices do massacre de ianomâmis. Não te merecem aqueles que miram impassíveis os densos rolos de fumaça volatilizando a nossa floresta para abrir espaço ao gado, à soja, à cana, ao corte irresponsável de madeiras nobres.

Por que foste excluída do Plano Amazônia Sustentável? A quem beneficiará este plano, aos ribeirinhos, aos povos indígenas, aos caiçaras, aos seringueiros ou às mineradoras, hidrelétricas, madeireiras e empresas do agronegócio? Quantas derrotas amargaste no governo? Lutaste ingloriamente para impedir a importação de pneus usados e transformar o nosso país em lixeira das nações metropolitanas; para evitar a aprovação dos transgênicos; para que se cumprisse a promessa histórica de reforma agrária.

Não te muniram de recursos necessários à execução do Plano de Ação para a Prevenção e Controle do Desmatamento da Amazônia Legal, aprovado pelo governo em 2004. Entre 1990 e 2006, a área de cultivo de soja na Amazônia se expandiu ao ritmo médio de 18% ao ano. O rebanho se multiplicou 11% ao ano. Os satélites do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) detectaram, entre agosto e dezembro de 2007, a derrubada de 3.235 km2 de floresta.

É importante salientar que os satélites não contabilizam queimadas, apenas o corte raso de árvores. Portanto, nem dá para pôr a culpa na prolongada estiagem do segundo semestre de 2007. Como os satélites só captam cerca de 40% da área devastada, o próprio governo estima que 7.000 km2 tenham sido desmatados. Mato Grosso é responsável por 53,7% do estrago; o Pará, por 17,8%; e Rondônia, por 16%. Do total de emissões de carbono do Brasil, 70% resultam de queimadas na Amazônia.

Quem será punido? Tudo indica que ninguém. A bancada ruralista no Congresso conta com cerca de 200 parlamentares, um terço dos membros da Câmara dos Deputados e do Senado. E, em ano de eleições municipais, não há nenhum indício de que os governos federal e estaduais pretendam infligir qualquer punição aos donos das motosserras com poder de abater árvores e eleger ($) candidatos.

Tu eras, Marina, um estorvo àqueles que comemoram, jubilosos, a tua demissão - os agressores ao meio ambiente, os mesmos que repudiam a proposta de se proibir no Brasil o fabrico de placas de amianto e consideram que "índio atrapalha o progresso". Defendeste com ousadia nossas florestas, biomas e ecossistemas, incomodando a quem não raciocina senão em cifrões e lucros, de costas aos direitos das futuras gerações.

Teus passos, Marina, foram sempre guiados pela ponderação e fé. Em teu coração jamais encontrou abrigo a sede de poder, o apego a cargos, a bajulação aos poderosos, e tua bolsa não conhece o dinheiro escuso da corrupção.

Retorna à tua cadeira no Senado. Lembra-te ali de teu colega Cícero, de quem estás separada por séculos, porém unida pela coerência ética, a justa indignação e o amor ao bem comum. Cícero se esforçou para que Catilina admitisse seus graves erros: "É tempo, acredita-me, de mudares essas disposições; desiste das chacinas e dos incêndios. Estás apanhado por todos os lados. Todos os teus planos são para nós mais claros que a luz do dia. Em que país do mundo estamos nós, afinal? Que governo é o nosso?"

Faz ressoar ali tudo que calaste como ministra. Não temas, Marina. As gerações futuras haverão de te agradecer e reconhecer o teu inestimável mérito.


[A autor de "A Obra do Artista - uma visão holística do Universo" (Ática), entre outros livros].


* Frei dominicano. Escritor.

Fonte: http://www.adital.com.br/site/noticia.asp?lang=PT&cod=33061

sexta-feira, 16 de maio de 2008

O Santo protetor do Brasil

Existe, por parte de uma minoria, um certo preconceito contra certas culturas populares. O cordel por exemplo é uma delas. Falta a algumas pessoas a percepção de como os artistas populares, muitas vezes sem grande escolaridade, tem uma imensa capacidade de captar conhecimentos históricos, sociais, geográficos e políticos. Dão a impressão de serem grandes satélites que captam certos acontecimentos, fatos e ideologias e as escancaram com tamanha segurança que impressiona e surpreende até mesmo os que acham bem informados e/ou portadores de grande conhecimento.
Posto abaixo um exemplo disto, na transcrição de uma declamação por Carlos Neves, um coiteense extraordinário, grande divulgador da cultura do cordel. A autoria da crônica é de Chico Pedrosa, com algumas adaptações de Carlos Neves, a quem presto também uma homenagem e manifesto a alegria por poder compartilhar com ele uma grande amizade e admiração.

O SANTO PROTETOR DO BRASIL

Chico Pedrosa

(com adaptações de Carlos Neves)


Um cronista escreveu nas páginas do Matutino, sobre uma sala que existe no céu, com o Deus Divino, onde trabalham os santos, que protegem com seus mantos as nações aqui na terra, e são por São Pedro escalados, pra livrar os afilhados das influências da guerra.

São quase duzentos santos, que na atualidade passam dez horas por dia cheios de boa vontade, sentados de sentinela, com os olhos fixos na tela, mexendo em fios e chaves, botões e computadores, e aparelhos transmissores de sons agudos e graves.

À distância, até parece que estão se divertindo, mas, na verdade estão fazendo um esforço infindo, para proporcionar conforto e vida exemplar aos filhos das nações aos quais são responsáveis pelos serviços prestados as futuras gerações.

Como em repartição pública, um trabalha e outro ganha, o santo da Dinamarca vive comendo na manha. Assina o ponto e cochila. Já o senhor são Tequila, protetor da Nicarágua, não tem tempo pra dormir e nem pra ir ao banheiro verter água. São Pedro nomeia o santo de acordo com o país, quando a nação é pequena, rochosa, pobre, infeliz; escolhe um santo valente, trabalhador, competente, mão de ferro, talentoso; mas quando sente que a nação não precisa de proteção, manda um santo preguiçoso. O Canadá por exemplo, depois da emancipação, São Pedro entregou a um santo pequeno e sem projeção, inda hoje vive lá, porque para o Canadá qualquer santo é protetor. Não precisa ser titã como o santo do Irã, Iugoslávia, Iraque e El Salvador. No dia que o Brasil se tornou independente, um anjo chamou São Pedro pra ver o nosso continente. São Pedro Olhou lá de cima viu a fauna, a flora, o clima, o lago, a costa e a extensão, e disse:

- Ô Terra Boa! Vou mandar um santo a toa para proteger esta nação.

- Imediatamente escolheu São Brás, seu afilhado, que a mais de cem anos no céu vivia encostado, não conseguia trabalho, vivia de quebra galho, respondendo pelos danos que causou, quando criança, à população da França pela Guerra dos Cem Anos. E porque no século passado, tomando conta da Espanha, um dia, contra a vontade, se via em palco de aranha. Por falta de competência, assinou numa audiência uns papéis desconhecidos, que só nessa assinadinha, vendeu a Flórida inteirinha para os Estados Unidos. Só depois de muito tempo, declarou ter aprendido e disse a São Pedro que estava arrependido e precisava trabalhar, e mesmo queria provar que não era incompetente, fez aquela choradeira de um falso cego na feira quando quer roubar a gente. São Pedro disse:

- tá certo, mas não bula nesta mesa, porque o país, Brasil, cresce só eu tenho certeza.

- Era o que São Brás queria, passava as horas do dia sentado numa bodega, do pai de santo à Lucrécia, com o santo da Suécia, da Dinamarca e Noruega; até que em sessenta e quatro, quando menos esperava, entrou um funcionário correndo onde ele estava, dizendo:

- corra São Brás, que mais de uma hora faz que sua mesa balança, e pelo o que eu pude apurar, tão querendo bagunçar o chão da Boa Esperança.

- Mas, na verdade, não era nada especial, foi só um curto-circuito que deu na chave geral. Porém, pelo compromisso e para mostrar serviço que inda não tenha mostrado, São Brás ligou um botão e apareceu no telão escrito “GOLPE DE ESTADO”. Levantou-se São Pierre, velho protetor da França, e disse:

- São Brás, por Nossa Senhora, você parece criança, preste atenção no trabalho, corrija o serviço fácil enquanto tem energia, está com sono? Desperte! Corra ligeiro aperte o botão da DEMOCRACIA.

- São Brás, ao invés de apertar o botão da democracia, confuso, enfia o dedo no botão da CARESTIA. Ligou o da INFLAÇÃO, da REPRESSÃO, a sala ficou escura, teve santo que correu, e quando o painel se acendeu tava escrito “DITADURA”, por último, abriu as válvulas das multinacionais, ligou a chave que acende os apertos salariais, quebrou o interruptor da Lei do Trabalhador que tava no seu nariz e todo o controle tremia, quanto mais São Brás mexia, mais bagunçava o país. Até que chegou um ponto que nada mais dava certo, quando cobria um lado, deixava o outro descoberto, se cobria o empresário, descobria o operário, se cobria o produtor, descobria quem comprava, e no fim a bomba estourava na mão do consumidor.

- Só existe uma saída, vou já conversar com Deus. Deus como um bom brasileiro, dará jeito aos erros meus.

- Aí pegou o cajado, vestiu um terno engomado, saiu falando sozinho; mas quando chegou no trono encontrou Deus de quimono, comendo arroz de pauzinho. Só aí ficou sabendo que Deus era japonês. Se Deus fosse brasileiro, o Japão teria vez? Logo um país pedregoso, altamente populoso, nos confins orientais? No tamanho, um dos menores, hoje, um dos três maiores poderios mundiais. Se Deus fosse brasileiro, será que consentiria uma inflação galopante roer nossa economia? Permitiria a nação sem saúde e educação andar com um pires na mão mendigando no estrangeiro? Deixaria o desemprego roubar a paz e o sossego da casa do brasileiro? Permitiria a reeleição de tanto cabra ladrão pra roubar o nosso dinheiro? Paremos com esta história de que Deus é brasileiro, e tratemos de ficar com São Brás, o timoneiro, mexendo em seus botões, no painel de operações, já que o destino assim quis, agora nos resta rezar pra São Brás renunciar e a nova santa querida Nossa Senhora Aparecida assumir o controle do país.


quinta-feira, 15 de maio de 2008

Ainda a Bolívia

Talvez o leitor esteja se perguntando o porquê do meu interesse pela Bolívia. Eu explico: Como o Brasil, toda a América Latina fora colonizada inicialmente por europeus. Com o passar do tempo, a exploração dos mais fracos política e economicamente organizados, passou a ser exercida não mais por uma nação estrangeira, e sim pelo capital que não mais tem nacionalidade. Ele é globalizado.
Após séculos de exploração, inicialmente européia, depois estadunidense e agora simplesmente neoliberal e global, muitos povos do terceiro mundo deram-se conta do engodo e passaram a optar por novas diretrizes. Escolheram para governar seus respectivos países, líderes oriundos do movimentos populares, das categorias de trabalhadores e até de índios (este e até não se confunda com preconceito, e sim por causa do preconceito, essa idéia pareça ser absurda como tem sido considerada pela elite boliviana), como é o caso da Bolívia.
Como sempre defendi as classes desfavorecidas, e mesmo antes de se declarar que o capital não tem pátria, eu já tinha a consciência de que a cidadania também não pode ter nacionalidade. Ela é um direito da humanidade em todos os cantos do mundo.
Portanto, tenho todo interesse em acompanhar os processos históricos e libertários de todo e qualquer país.
Neste momento o foco está na Bolívia, há pouco dias atrás, no Paraguai com histórica eleição do primeiro presidente paraguaio dos últimos 60 anos que não era do partido colorado, o mesmo partido que governou através de regime de exceção (ditadura militar) durante cerca de 20 anos. Um pouco mais atrás, a questão da Venezuela que dispensa comentários. Embora mereça-os, pois o PIIG (Partido de Imprensa Internacional Golpista) só noticia o que quer e da maneira mais distorcida possível, no intuito de demonizar o presidente Hugo Chaves.
Para encurtar a conversa, sugiro mais uma vez, que acompanhemos os relatos de Eduardo Guimarães que está em visita a trabalho àquele país e aproveitando para nos informar o que ocorre por lá.
Clique aqui para ler.

terça-feira, 13 de maio de 2008

Andamento da tentativa de golpe contra a soberania boliviana

No último dia 04 (04/05/2008) as províncias mais ricas da bolívia, situadas na chamada regina da Medina Luna iniciaram em Santa Cruz, um referendo ilegal com propostas separatistas para minar o governo do Presidente Evo Morales. Assim como no acontece no Brasil, as elites das regiões mais ricas acabam se destacando no preconceito contra as maiorias. A região da Medina Luna é a mais próspera economicamente, é onde mora o maior número de bolivianos descendentes de europeus, espanhóis sobretuto, e estes não aceitam ser governados por um índio, mesmo que a maioria da população daquele país seja de origem indígena.
O referendo separatista, que resultou como um tiro no pé dos oposicionistas ao governo Morales, pode ainda provocar uma guerra civil no país vizinho. Entretanto o fracasso real, é bem diferente do sucesso anunciado pela imprensa golpista de lá e de cá.
Para se inteirar do assunto, é bastante salutar ler os relatos de Eduardo Guimarães, que encontra-se estes dias na Bolívia, a trabalho de ganha pão, simultaneamente com o de cidadania universal.
Clique aqui para ler.

Acessos