Pesquisar neste blog

sábado, 29 de agosto de 2009

SERRA E O PIG (Partido da Imprensa Golpista) PREPARAM MAIS UMA ARMAÇÃO PARA VIABILIZAR SUA CANDIDATURA.

LEMBRAM DO CNT/SENSUS? AQUELE QUE PREVIU A DERROTA DE WAGNER NO PRIMEIRO TURNO EM 2006?

Pois, ele mesmo está para jogar no cenário político mais uma armação tentando a qualquer custo viabilizar sua vitoria na Bahia.

Está para sair uma pesquisa, encomendada por Serra e sua turma, onde coloca o dissimulado Paulo Souto em primeiro, Wagner em segundo e Geddel em terceiro.
As informações de bastidores da Assembléia Legislativa são de que a pesquisa é parte de uma estratégia em andamento de mostrar um suposto crescimento de Paulo Souto, criando um clima artificial de disputa em vantagem.

A articulação do CNT/Sensus, para dar uma suposta aparência de credibilidade, seria articulada por Serra, com base em suas articulações nacionais.

Nas eleições de 2006, o mesmo instituto, previu a vitoria de Paulo Souto no primeiro turno...

Antonio do Carmo

Fonte: Política Baiana com o Dedo na Ferida

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

POLÍTICA LIVRE: "LÍDER DO GOVERNO DIZ QUE PESQUISA DA FIRJAN MOSTRA QUE GOVERNO PAULO SOUTO FOI "DESASTROSO"

E FOI MESMO!
"O líder do governo, Waldenor Pereira (PT), comentou a pesquisa realizada pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) analisando dados oficiais de todo o país e que apontou queda no desenvolvimento na Bahia nos anos de 2005 e 2006, durante a gestão do ex-governador Paulo Souto (DEM).
“O estudo revela que o governo de Paulo Souto (DEM) foi um desastre para o estado da Bahia.
Piorou a situação da saúde, da educação e do emprego e renda, três principais áreas do desenvolvimento humano, levando o estado da 18ª para a 22ª posição no país, de 2005 para 2006, ficando à frente apenas dos Estados do Amapá, Pará, Piauí, Maranhão e Alagoas”, atacou o petista.
“Essa pesquisa joga por terra todo o esforço da oposição para caracterizar o governo Paulo Souto como competente”, alfinetou o líder do governo."
Politica Livre
(O dissimulado deveria, mesmo falando embolado, comentar isso em Mario Kérstez...)

HOSPITAL DE SANTO ANTONIO DE JESUS: 16 ANOS DE CARLISMO SEM CONCLUIR.

WAGNER CONCLUIU E VAI INAUGURAR ESTE ANO.

O Hospital vai atender a todo o Recôncavo baiano.

Antigo sonho da região, o hospital vai ter 136 leitos prestando atendimento de media e alta complexidade nas especialidades de Clínicas Pediátricas (33), Medica (36), Psiquiátrica (6) e UTI (10).

A importância do hospital, está em, além de o povo da região não precisar mais estar subindo e descendo para Salvador, vai funcionar como unidade de ensino e pesquisa para os alunos de Medicina da universidade Federal do Recôncavo.

ESTA INAUGURAÇÃO PUXA UM RETROVISOR:

1. Por que Paulo Souto passou 8 anos e não concluiu ?

2. Por que César Borges também não ?

3. Imbassahy foi governador por um período por que não fez nada pela saúde no Recôncavo?

4. O que os deputados do DEM, (os que falam muito...) tem a dizer sobre isto?

5. Em particular, por que Wagner, em dois anos e meio, fez o que eles não fizeram em 16 anos?

Seria uma pauta interessante para a imprensa...

TRANSPARENCIA BAHIA: NOS 2 GOVERNOS DE PAULO SOUTO TINHA ? E NOS DEMAIS CARLISTAS TINHA?

A TARDE, (de novo...) PASSA AO LARGO DESSAS INOCENTES PERGUNTAS E FAZ UMA MATÉRIA DIZENDO QUE OS DE ALAGOAS E PERNAMBUCO SÃO MELHORES...

A Tarde de Hoje publicou esta matéria. De um cidadão da Transparência Brasil.
Ele faz um esforço danado para tentar desqualificar o site do governo do estado que publica todas as contas do governo, mas não consegue.
Admite a existência, mas vai cotejando aspectos e dizendo que os dos vizinhos são melhores.
MAS LÁ PELAS TANTAS.... ele destaca um defeito do site do governo baiano muito interessante: NÃO TEM AS CONTAS DO GOVERNO PAULO SOUTO.
Seria muito interessante botar essas contas no site.
A Assembléia Legislativa travava imensas batalhas para que Paulo Souto divulgasse a senha de acesso aos pagamentos do governo ou então publicasse na Internet como Wagner está fazendo.
NADA. Nunca publicou nada.
Logo quando Wagner assumiu, todos viram as máfias que foram desarticuladas que existiam montadas no governo do dissimulado Paulo Souto.
Quanto prejuízo do dinheiro publico, nosso, poderia ter sido economizado se as contas fossem publicas.
Fica uma pergunta; POR QUE PAULO SOUTO NUNCA DISPONIBILIZOU SUAS CONTAS À POPULAÇÃO?

Voluntárias Sociais beneficiam população rural do semiárido da Bahia

Valente está a 240 km de Salvador, em pleno semiárido baiano. Wagner e Lula têm dedicado muita atenção a essa região sisaleira. Há políticas que fortalecem entidades que desenvolvem ações de promoção social e econômica, a exemplo da APAEB, com sua indústria e fundação, do Instituto de Desenvolvimento Regional (IDR), da FATRES, do CODES Sisal, além das cooperativas de crédito rural. Somam-se ainda reforço na área da educação com a criação da escola de ensino médio profissionalizante em São Domingos e, em parceria com o neurocientista Miguel Nicolelis, a implantação da Escola de Ciência em Serrinha.

A vereadora Leninha, do PT de Valente, vivencia tudo isso, num envolvimento que entusiasma. Entretanto, há camadas da população rural tão excluídas que não dá para esperar o desenvolvimento chegar. São situações de emergência. Daí a equipe técnica das Voluntárias Sociais, num trabalho em parceria com o Sindicato dos Trabalhadores Rurais e Agricultores Familiares (Straf-Valente), associações comunitárias e Grupo Social Terceira Idade em Movimento (GESMIN), atender demandas de pelo menos 30 comunidades rurais.

A turma da primeira- dama Fátima Mendonça joga duro. Elas discutem o sentido das ações de assistência, a concepção de cidadania, e apresentam as políticas sociais do Governo Wagner. O parâmetro é a política nacional de assistência que incrementa a transformação social, institui metas, modelos e critérios. Mas, também, atende as demandas emergenciais, conforme explicou a diretora das Voluntárias Tânia Lessa.

Desta vez (27 de agosto), foram distribuídos 485 cobertores, 20 colchões e 40 filtros, beneficiando cerca de 500 famílias. O Grupo Social a Terceira Idade recebeu ainda 50 metros de tecido para as oficinas de fabricação de artesanato.

Claudionor Aquino, presidente do STRAF-Valente, resumiu bem: “antes, a gente do movimento sindical era mal visto pelo governo, não tínhamos acesso às autoridades e sofríamos violência na hora da luta. Tudo mudou. Dialogamos com o governo”. A vereadora Leninha do PT de Valente avalia que a Bahia vive um novo momento.

Tá pensando que é só assistencialismo? Vai lá ver o trabalho...

Fonte: Bahia de Fato

Bahia comemora os 30 anos da Anistia, com Wagner e Waldir Pires

Com a presença do governador Jaques Wagner e do ex-governador Waldir Pires, a esquerda baiana comemorou hoje (28) os 30 anos da Anistia Política. A solenidade ocorreu no Forte de Santo Antônio, onde funcionava a Casa de Detenção. Ali, os militares prendiam e torturavam combatentes.

Durante o evento, o secretário da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, Nelson Pellegrino, fez uma apresentação do projeto “Memórias Reveladas das Lutas Políticas na Bahia (1964-1985)”. O material dispõe sobre o acesso às informações do período, através de uma comissão especial.

O Forte de Santo Antônio está totalmente restaurado. Nele, funcionam atualmente muitas academias de capoeira. Revi muitos ex-presos políticos.

O deputado federal Emiliano José (PT-BA) foi o orador que representou os ex-presos políticos. Estavam presentes Theodomiro Romeiro dos Santos, o único militante que foi condenado à morte pelos militares, e Olderico Campos Barreto, que enfrentou a bala as forças militares que mataram o capitão Lamarca, em Brotas de Macaúbas. E também o padre Renzo Rossi que veio da Itália. Renzo visitava a Penitenciária Lemos Brito e muitas cadeias de presos políticos pelo Brasil afora.

“Esse momento é para celebrar aqueles que lutaram pelas nossas convicções. Se relembrar é viver, creio que estaremos fazendo homenagens sempre, desde que reforcemos o espírito de construir em coletividade. Muitas pessoas não querem que a história da Ditadura Militar seja divulgada, ou por medo, ou por vergonha. Afinal, não há nada mais horrível que um crime de Estado. Por isso sou contra a pena de morte, porque um crime não deve ser resolvido com outro crime. Homens e mulheres erram e precisam de uma chance para se redimir”, disse o governador Wagner.

Presentes ao encontro o Grupo Tortura Nunca Mais, o Movimento Feminino pela Anistia, o Comitê Brasileiro de Anistia (Núcleo da Bahia). Também presente D. Kátia Natur, mãe do ex-presos político Natur de Assis, assassinado em Ubaíra por um líder do PFL vinculado ao senador César Borges (DEM).

Segundo o ex-preso e hoje deputado federal Emiliano José (PT-BA), as homenagens são válidas, porque para que esta celebração acontecesse muitas pessoas foram mortas. “Este é um dia em que falamos de esperança e alegria, mas também das dores e cicatrizes do nosso corpo. Tivemos mais de 500 companheiros mortos na Ditadura Militar. Nossos mártires, que morreram ao longo do caminho, empregaram sua vida na luta pela democracia. Lembramos deles com carinho, e nós que fomos presos, torturados e sobrevivemos temos que lembrar que eles regaram com sangue esta luta”.

O secretário da Justiça, Nelson Pelegrino, ressaltou: “Já estabelecemos o roteiro e ele prevê o acesso aos arquivos da Bahia, Polícia Federal, Auditoria Militar, e estamos tentando ter acesso aos da Forças Armadas. Além disso, já baixamos o decreto de chamamento público para que as pessoas que tenham documentos possam voluntariamente entregar à comissão organizadora. Também estamos colhendo depoimentos dos que participaram deste período. A ideia final é fazer um livro dessa história da Bahia contra a Ditadura Militar”.

Depoimentos de Ana Guedes, representando o Grupo Tortura Nunca Mais, e de Emiliano José, representando os ex-presos políticos, foram dados durante o evento, que também contou com a exibição do vídeo “Memórias Reveladas: 30 Anos de Anistia na Bahia”, produzido pela Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos. (Com informações da AGECOM).

Fonte: Bahia de Fato

Sobrevivente da ditadura lembra os 30 anos de anistia

TRECHO DO DISCURSO DO DEPUTADO FEDERAL EMILIANO JOSÉ NA CÂMARA DOS DEPUTADOS

“A ditadura era uma excrescência, era um regime doente, incontrolável nos seus desvarios, na sua violência, no terror a que submetia toda a população brasileira e particularmente àqueles que se dispunham a lutar contra ela.

Basta que olhemos para qualquer dossiê de mortos e desaparecidos. Dos arquivos da ditadura, alguns dos quais abertos, emergem os corpos trucidados de nossos companheiros. Emerge o sangue de nossos companheiros e companheiras. Qualquer um de nós podia hoje figurar nessa triste galeria. Basta que se olhe o livro de Nilmário Miranda e de Carlos Tibúrcio. Ou o livro editado pela Secretaria Especial de Direitos Humanos, do governo Lula. Os livros que tenho escrito compõem também um painel de revelação do terror, pequeno painel.

Sinto-me em dívida com meus companheiros e companheiras trucidados pela ditadura. Sou um sobrevivente e imponho-me a tarefa de contribuir para a elucidação de um período tão trágico para a vida da Nação. Não, nós não queremos esquecer”.

CONFIRA O DISCURSO NA ÍNTEGRA

Fonte: Bahia de Fato

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Comunicação do Governo da Bahia — Programa do dia 25/08/2009

Comunicação do Governo da Bahia — Programa do dia 25/08/2009

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

"É farsa e factóide", diz Everardo Maciel sobre os casos Petrobras e Lina e pressões de contribuintes

Bob Fernandes - Terra Magazine: O pernambucano Everardo Maciel mora há 34 anos em Brasília. Foi secretário executivo em 4 ministérios: Fazenda, Educação, Interior e Casa Civil, e foi Secretário da Fazenda no Distrito Federal. Everardo é hoje consultor do FMI, da ONU, integra 10 conselhos superiores, entre eles os da FIESP, Federação do Comércio e Associação Comercial de São Paulo e é do Conselho Consultivo do Conselho Nacional de Justiça. Mas, nestes tempos futebolísticos, às vésperas de 2010, com tudo o que está no ar e nas manchetes e, em especial, diante do que afirma Everardo Maciel na entrevista que se segue, é importantíssimo ressaltar que ele foi, por longos 8 anos, "O" Secretário da Receita Federal dos governos Fernando Henrique Cardoso.

Dito isso, vamos ao que, sem meias palavras, afirma Everardo Maciel sobre os rumorosíssimos casos da dita "manobra contábil" da Petrobras - que desaguou numa CPI -, da suposta conversa entre a Ministra Dilma Rousseff e a ex-Secretaria da Receita Lina Vieira e da alardeada "pressão de grandes contribuintes", fator que explicaria a queda na arrecadação:

- Não passam de factóides. Não passam de uma farsa.

Sobre a suposta manobra contábil que ganhou asas e virou fato quase inquestionável, diz o ex-Secretário da Receita Federal de FHC:

-É farsa, factóide... a Petrobras tem ABSOLUTO DIREITO (NR: Destaque a pedido do entrevistado) de escolher o regime de caixa ou de competência para variações cambiais, por sua própria natureza imprevisível, em qualquer época do ano. É bom lembrar que a opção pelo regime de caixa ou de competência não repercute sobre o valor do imposto a pagar, mas, sim, a data do pagamento. Essas coisas todas são demasiado elementares.

E o caso Dilma/Lina?

- Se ocorreu o diálogo, ele tem duas qualificações: ou era algo muito grave ou algo banal. Se era banal deveria ser esquecido e não estar nas manchetes. Se era grave deveria ter sido denunciado e chegado às manchetes em dezembro, quando supostamente ocorreu o diálogo. Ninguém pode fazer juízo de conveniência ou oportunidade sobre matéria que pode ser qualificada como infração. Caso contrário, vai parecer oportunismo.

E a queda na arrecadação por conta de alardeada pressão de grandes contribuintes?

-Farsa, factóide para tentar explicar, indevidamente, a queda na arrecadação.

Sobre essa mesma queda e alardeadas pressões, Everardo Maciel provoca com uma bateria de perguntas; que ainda não foram respondidas porque, convenientemente, ainda não foram feitas:

- Quais são os nomes dos grandes contribuintes, quando e de que forma pressionaram a Receita? Quando foi inciada a fiscalização dos fatos relacionados com o senhor Fernando Sarney? Quantos foram os contribuintes de grande porte no Brasil que foram fiscalizados no primeiro semestre deste ano, comparado com o mesmo período de anos anteriores e qual foi o volume de lançamentos? A Receita, em algum momento, expediu uma solução de consulta que tratasse dos casos de variações cambiais como os alegados em relação à Petrobras? Com a palavra Everardo Maciel, Secretário da Receita Federal nos 8 anos de governo Fernando Henrique Cardoso - Leia na íntegra a entrevista.

Fonte: Desabofo Brasil

Um debate imperdível

Nesta quarta-feira não postei durante o dia porque tive que adiantar o expediente de meu trabalho remunerado para poder praticar o voluntariado nos próximos dias 27, 28 e 31 de agosto. Na quinta e na sexta-feira, participarei da Conferência Regional de Comunicação promovida pelas prefeituras do ABC paulista em Mauá, das 9 às 17 horas de cada um dos dias, sendo eu mesmo um dos expositores convidados.Trata-se de um evento de relevo, preparatório para a Conferência Nacional de Comunicação (Confecon), que terá lugar nos primeiros dias de dezembro.Todavia, o evento do qual participarei no próximo dia 31 de agosto na Câmara Municipal de São Paulo me está sendo muito caro porque reunirá palestrantes de marcada singularidade por conta das posições que representam. Finalmente, o ministro da Secom do governo federal, Franklin Martins, estará frente a frente com representantes da sociedade civil, de um grande meio de comunicação, da blogosfera e do Poder Legislativo para formular os planos do governo nessa área, mas também para ouvir o que haverá que ser dito.Eis a importância do evento que anuncio:· Pelo governo, falará o próprio Martins; · pela sociedade civil organizada, eu mesmo, em nome do Movimento dos Sem Mídia; · pela mídia, o ombudsman da Folha de São Paulo; · pela classe jornalística, Luis Nassif; · e, pelo Poder Legislativo, o vereador José Américo, o deputado Rui Falcão e o Senador Aloizio Mercadante.Devo dizer que esse é um evento que eu não perderia mesmo que não fosse um dos palestrantes, até porque o evento estará aberto a contribuições do público ao fim dos pronunciamentos de cada integrante da mesa de expositores.Acho extremamente importante o trabalho que está sendo feito pela blogosfera e que está desconstruindo as mentiras dessa deformidade que possuiu a comunicação brasileira, mas também é preciso discutir como mudar essa situação, e é para isso que me empenharei nos eventos que anuncio.

Por Eduardo Guimarães


Fonte: Cidadania.com


A imprensa deve desculpas ao povo brasileiro

A ex-secretária da Receita Federal, Lina Vieira, informou ao Congresso nacional que no dia 19 de dezembro de 2008 ela foi ao Planalto se reunir com a ministra Dilma Roussef, da Casa Civil. Disse que a ministra tinha pedido a ela para “agilizar” as investigações contra Sarney. A revista CartaCapital apurou que neste dia, uma sexta-feira, último dia útil para o governo, uma data marcante, portanto, a ministra Dilma participou de uma reunião do Conselho de Administração da Petrobras, em Brasília, durante toda a tarde, e depois participou da confraternização de Natal com os funcionários do Planalto. No horário da reunião, 13h30, Lina Vieira estava dentro de um avião viajando para Natal. Esta mulher não tem a menor vergonha na cara. E a Folha de S. Paulo que deu várias manchetes de primeira página? A imprensa deveria pedir desculpas ao povo brasileiro.

Fonte: Bahia de Fato

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Publicidade do governo federal: por que a Globo precisa derrubar o Lula

Na foto, o operário padrão das Organizações (?) Globo

Na foto, o operário padrão das Organizações (?) Globo

O passarinho pousou na janela lá de casa e contou o seguinte:

No governo Fernando Henrique, 90% da verba publicitária do governo federal e das estatais iam para a Rede Globo.

No governo Lula, o ponto mais alto foi 70%.

No momento, a Globo fica com 52% da verba de publicidade do governo federal e das estatais.

Isso ainda é imerecido.

A Globo tem 50% da audiência e, portanto, o governo Lula deveria retirar dois pontos percentuais da verba hoje destinada à Rede Globo.

É por isso que as Organizações (?) Globo precisam desesperadamente derrubar o Presidente Lula e substitui-lo por um demo-tucano.

A fúria da Globo e do Ali Kamel se mede pela distância que vai entre 90% e 52%.

Paulo Henrique Amorim


Fonte: Conversa Afiada

Das mentiras da imprensa serrista ...

O PIG (imprensa serrista) continua insultando a inteligência alheia.

Não esclarece as obscuras relações de Dona Lina Vieira com senadores da oposição, de seu marido com Roseana Sarney, FHC, Agripino Maia e outros.

Sequer dá uma ligadinha à Dona Lina Vieira para perguntar se ela já se lembrou ou a data ou a hora do suposto encontro com a Ministra Dilma Rousseff, que ela inventou, para haver algum fato que renda notícia

E continua especulando, e não há sequer tapioca que exista para justificar, apostando na burrice dos leitores / telespectadores.

No dia 21 de agosto de 2008, o GSI emitiu nota informando:

2. Com relação às câmeras de vigilância:

- Conforme as especificações do contrato relativo ao Sistema de Segurança, assinado em 2004, o período médio de armazenamento das imagens varia em torno de 30 dias;

- Como as câmeras são acionadas por sensores de movimento, o número de dias depende do trânsito de pessoas pela área;

- Quando o setor de armazenamento no HD está cheio, novas imagens substituem as antigas;

- Desse modo, não mais existem as imagens relativas aos meses de novembro e dezembro de 2008.

4. Com relação às pessoas:

- Autoridades relacionadas nas Normas Internas (Ministros de Estado, Procurador Geral da República, Ministros de Tribunais Superiores, Parlamentares Federais e outras) uma vez identificadas, estão dispensadas do uso de qualquer credencial;

- No caso das audiências previamente agendadas, os convidados são identificados e credenciados;

- No caso de audiências sem agendamento prévio, feita a identificação dos convidados, os gabinetes das autoridades são consultados, oportunidade em que, após credenciamento, é autorizado seu ingresso.

- Nos registros existentes, correspondentes aos meses de novembro e dezembro de 2008, não foi encontrado o nome da ex-Secretária da Receita Federal, Sra Lina Maria Vieira.

----x-x-x-x---

A imprensa serrista nos brindam hoje com a seguinte pérola (no portal Terra):

"Registros podem confirmar reunião entre Lina e Dilma, dizem fontes"

Assessores diretos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, garantiram nesta terça-feira existir listas de papel que poderiam comprovar um eventual encontro da ministra com a então secretária da Receita Federal, Lina Vieira. Na última sexta, o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) informou que as câmeras de vigilância do Palácio do Planalto têm gravações feitas umas por cima das outras em um prazo médio de 30 dias, o que inviabilizaria qualquer tipo de comprovação da possível reunião.

De acordo com auxiliares de Lula, a regra é que toda pessoa que chegue ao Palácio do Planalto tenha seu nome registrado em uma tabela com informações do horário, data, local da reunião (seja ela agendada ou não), além do nome do funcionário que autorizou que o visitante a entrar nas instalações da presidência da República. O controle seria válido para qualquer pessoa, incluindo ministros de Estado e o próprio presidente Lula.

Ora, basta ler a nota acima do GSI, que vou repetir:

- Nos registros existentes, correspondentes aos meses de novembro e dezembro de 2008, não foi encontrado o nome da ex-Secretária da Receita Federal, Sra Lina Maria Vieira.

Ou seja, não há contradição nenhuma entre o que disse o GSI e os "assessores diretos" do Planalto.

O nome de Lina Vieira não existe nas planilhas de controle entre novembro e dezembro. Ela mentiu, inventou, ou então teria que ter entrado igual a agentes secretos, por exemplo, pela tubulação de esgoto do Planalto.

Será que essa "jornalista" Laryssa Borges, do Terra, não sabe ler a nota do GSI?

Fonte: Os Amigos do Presidente Lula

Isto é incrível

Apesar de apanhar todos os dias do PIG (Partido da imprensa Golpista), o PT ganha de longe em enquete do UOL que tanto sonha em acabar com o PT e Governo Lula. Veja o resultado, um verdadeiro tiro no próprio pé.

"Na sua opinião, qual é o partido político mais sério do Brasil? (da lista, em ordem alfabética, constam somente os partidos políticos com representação na Câmara dos Deputados)"


(48,94%)

(16,82%)

(8,14%)

(7,34%)

(4,53%)

(2,98%)

(2,27%)

(2,21%)

(2,18%)

(1,67%)

(0,99%)

(0,80%)

(0,47%)

(0,19%)

(0,08%)

(0,07%)

(0,07%)

(0,07%)

(0,07%)

(0,07%)

(0,05%)
TOTAL DE VOTOS: 35323


CHORA MÍDIA GOLPISTA! CHORA SERRA! CHORA DEMOS/TUCANALHAS!

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Revista Época também já "descobriu" que Lina Vieira está mentindo

A ficha já caiu na Revista Época, e admite que o ônus da prova é de quem acusa, e que "muito provavelmente" é Lina quem está mentindo. Já "Descobriu" também as conexões políticas de Lina e seu marido, inclusive que foi ministro interino de FHC. A revista diz que a faladeira Lina e seu marido, não atenderam à reportagem.


Segue a íntegra da reportagem:

21/08/2009 19:08

A versão de Lina

A ex-secretária da Receita continua dizendo que esteve com Dilma no Planalto para tratar do caso Sarney. Mas não conseguiu mostrar uma evidência da reunião

Marcelo Rocha


CONFUSÃO
A ex-secretária Lina Vieira, no depoimento no Senado. Aos oposicionistas, ela citou informalmente que o encontro teria sido em 19 de dezembro. Naquela data, porém, ela estava em Natal, Rio Grande do Norte, como revela o site Portal da Transparência (abaixo)

Anunciada como personagem capaz de dinamitar a candidatura da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT), à Presidência da República, a ex-secretária da Receita Federal Lina Maria Vieira deixou o auditório da Comissão de Constituição e Justiça do Senado sem entregar a mercadoria. Em seis horas de depoimento, Lina confirmou o que dissera na semana anterior ao jornal Folha de S.Paulo. Descreveu um encontro no Palácio do Planalto, onde Dilma teria lhe pedido para “agilizar” as investigações do Fisco contra empresas de Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). Mas Lina Vieira não apresentou dados novos capazes de comprovar a reunião. Não foi, portanto, capaz de desmentir a versão de Dilma, que, desde o início, nega ter se encontrado com Lina no Planalto. É fato que uma das duas está mentindo. Mas o ônus de apresentar provas cabe a quem acusa.

Lina não levou uma agenda em que pudesse ter registrado o compromisso. Não apresentou testemunha direta da conversa. No início, disse que foi um diálogo normal, no qual nem sequer se sentiu pressionada. “A ministra me disse para agilizar a fiscalização do procedimento contra o filho de Sarney, mas, de forma alguma, o pedido foi para não investigar”, afirmou. No mesmo depoimento, porém, disse que achava o pedido de Dilma “incabível”.

Indicado como possível testemunha de sua ida ao Planalto, o motorista que costumava atender Lina deu uma entrevista dizendo que não sabia de nada. Em conversas informais com senadores, Lina Vieira identificou o dia 19 de dezembro de 2008 como a data provável do encontro. Mas informações oficiais revelam que as duas não poderiam ter se encontrado nessa data. No dia 19 de dezembro, Dilma passou a manhã em reunião do Conselho de Administração da Petrobras. À tarde, Lina estava em Natal, onde mora, a serviço. Naquele dia, Lina chegou a receber uma diária por se ausentar de Brasília, registrada no Portal da Transparência sete dias depois, em 26 de dezembro.

Na quinta-feira, os dois principais cicerones de Lina no Senado não conseguiam esconder certo desapontamento. O senador José Agripino Maia (DEM-RN) afirmou que Lina Vieira “não sabe” quando a conversa ocorreu e que será preciso vasculhar a agenda da Casa Civil “entre 15 de novembro e 15 de dezembro”. Garibaldi Alves (PMDB-RN) disse: “É mais factível que o encontro tenha ocorrido em outubro”. Em outubro, Lina esteve mesmo no Planalto, não há dúvida. Para uma visita oficial, devidamente registrada, segundo disse o senador Aloizio Mercadante (PT-SP) no Senado.

O marido de Lina é empresário com ligações políticas.
Entre 1999 e 2000, foi ministro de FHC

A presença de Lina em Brasília na semana passada chamou a atenção para suas ligações com o mundo político de Natal. Por duas vezes, ela foi secretária de Tributação do Rio Grande do Norte. Primeiro, entre 1995 e 1998, na gestão de Garibaldi Alves. Depois, sob Vilma de Faria (PSB), a atual governadora, entre 2006 e 2007. O marido de Lina Vieira, Alexandre Firmino de Melo Filho, é um empresário ligado ao PMDB. Entre agosto de 1999 e julho de 2000, ele foi ministro interino do Ministério de Integração Nacional, no governo de Fernando Henrique Cardoso.

Firmino é sócio majoritário na agência Dois A Publicidade. A empresa atua em Natal, onde recentemente venceu licitação para prestar serviços à Secretaria de Comunicação da prefeitura administrada por Micarla de Souza (PV), aliada de Agripino e responsável por uma das maiores derrotas do PT nas eleições municipais. A Dois A divide um contrato anual de R$ 10 milhões, firmado no mês passado, com outras quatro agências. Firmino também é sócio da empresa Impressão Gráfica e Editora, recém-contratada pela prefeitura para editar a publicação Natal pra você, dedicada ao turismo. Procurados, nem Lina nem Firmino responderam aos pedidos de entrevista feitos por ÉPOCA.

Se quiser provar mesmo que o encontro não ocorreu, Dilma poderia acionar Lina Vieira na Justiça, exigindo provas ou uma retratação. O inconveniente é que cada depoimento realimentaria o assunto – o tipo de situação que não interessa a uma candidata à Presidência da República.

O Planalto também poderia liberar os registros de seu serviço de segurança. Não são informações perfeitas. De acordo com a graduação do visitante, apenas sua passagem fica registrada, sem que se saiba seu destino final. Mas esse tipo de informação poderia confirmar ou desmentir a suposta presença de Lina no Planalto.

Numa entrevista ao jornal O Globo, o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, disse que o Planalto deveria divulgar os dados. “Não há motivo para esconder o registro de ingresso de cidadãos ou servidores públicos em uma repartição,” disse. A Casa Civil afirma que é o Gabinete de Segurança Institucional, responsável pela segurança do presidente da República, que detém a palavra final sobre essa documentação. Por causa disso, na semana passada não se sabia quando – nem se – os registros serão publicados. Enquanto isso, continua a palavra de Lina contra a de Dilma.

Globo perde audiência, poder econômico e político

A TV Globo, ao declarar guerra à TV Record, acabou dando um tiro no pé, conseguindo chamar atenção para a concorrente, e perdeu audiência.

Durante o domingo, a Record conseguiu a liderança de audiência em diversos horários.

Segundo os índices prévios da Grande São Paulo, o Domingo Espetacular chegou a vencer o Fantástico por 22 a 16 pontos.

O Reality Show "A Fazenda", superou a meta que a Record havia estabelecido: passou dos 30 pontos, chegando a 32 pontos contra 9 da Globo, a maior diferença na história da Record sobre a concorrente.

O filme “A Era do Gelo”, também ocupou a liderança isolada com 14,5 pontos.

Durante todo o Domingo, na média SP, a Record conseguiu audiência muito próxima à da Globo:

Globo: 15,9
Record: 12,5
Sbt: 8,1
Band: 2,6
RedeTv: 2,2
Cultura: 1,1

Nesta segunda, na programação matinal a Globo caiu para o terceiro lugar às 10hs. A Record atingiu o dobro da audiência da Globo no Rio de Janeiro, e quase o dobro em SP.

9:59 Sp

Record: 8,4
Sbt: 6,6
Globo: 4,8

Rio 10:01

Record 12,0
Sbt 9,4
Globo 6,1

O que o povo ganha com a briga dos Marinho com Macedo? Ou o que programas de entretenimento como reality show, Gugu, Faustão afeta a política nacional?

A Globo perde poder econômico, político, e capacidade de manipular eleições.

Ao dividir a audiência, dividirá também as verbas do mercado publicitário (tanto público como privado), e perderá poder econômico.

Ao ter telejornais competindo de igual para igual, perde o monopólio da "formação da opinião pública", e a capacidade de exercer lobby e manipulação política.

Fica mais complicado esconder notícias, que o concorrente levará ao ar, pois acabará perdendo mais audiência do que perdeu, quando o telespectador se dá conta que está sendo mal informado. Fica mais complicado não dar direito de resposta, pois a resposta será conseguida no concorrente.

A Globo sempre atuou em simbiose com o poder. Trocava apoio político na linha editorial por acesso privilegiado aos cofres públicos. A Globo sempre ajudou a eleger "amigos" e depois recebia seu quinhão em troca do apoio ao governo, seja através de anúncios superdimensionados (como a propaganda da SABESP em rede nacional), seja através de empréstimos generosos, concessões indevidas, facilidades nos ministérios para si, e imposição de dificuldades para a concorrência.

O esquema da Globo de simbiose com o poder federal desandou com a eleição de Lula. Ela tenta recuperar com a eleição de Serra.

Com menos audiência, e com a Record nos calcanhares, a Globo vai continuar manipulando até 2010 para tentar eleger Serra, mas terá mais dificuldade em convencer, terá que ser mais sutil, uma vez que haverá um noticiário de contraponto, com audiência de peso.

Por outro lado, por mais que a Record cresça, nunca conseguirá ter o poder que teve a Globo no passado, e por isso não corremos o risco de trocar um monopólio privado por outro.

Hoje existe a internet como fonte de informação, e a cada mes mais brasileiros ingressam na rede, e a usam com fonte de informação, reduzindo a influência da TV. A TV digital, também criará, a médio prazo, um ambiente de diversidade de canais gratuítos semelhante às TV's por assinatura, incluindo os canais públicos e comunitários. Os movimentos socais pela democratização dos meios de comunicação, também se mobilizam e conquistam apoios oficiais no governo federal. É certo que haverá conquistas, em maior ou menor escala, dependendo da pressão popular.


Fonte: Os Amigos do Presidente Lula

Pecha de mentirosos está sendo colada na imprensa

O caso Lina Vieira tinha como objetivo colar a pecha de mentirosa na ministra Dilma, mas a pecha de mentirosos está sendo colada na imprensa.

Desde o depoimento da ministra, há mais de uma ano, em que José Agripino Maia foi trucidado por Dilma, ao defender indiretamente a tortura, a oposição tenta desconstruir a imagem de Dilma, buscando colar a pecha de "mentirosa", porque vasculharam toda a vida dela e não encontraram nada, nada, nada que possam criticá-la objetivamente. Não há escândalos no passado de Dilma, não há indícios de falcatruas que possam ser explorados. Terão que inventar.

Mas nessa busca insana, quem tem mentido reiteradas vezes é a oposição e a imprensa (que também é oposição).

Da dita grande imprensa, quase todos os veículos continuam insistindo na farsa.

Os únicos que já publicaram o óbvio, que é Lina Vieira quem está mentindo, foram as revistas Carta Capital e Época (revista das Editora Globo).

Já há farta documentação, como viagens de Lina Vieira incompatíveis com a data do encontro, que a imprensa diz ter conseguido em off, há contradições em seu depoimento, há mentiras comprovadas em seu depoimento. Há encontros com o Senador José Agripino Maia.

Gostando ou não gostando de Dilma, não há mais como negar que, mais uma vez, quem fala a verdade é Dilma.

Os veículos de imprensa que não se retratarem, não dizerem das conexões dela e do marido dela (que lhe orientou no depoimento no Congresso), estarão cometendo suicídio e perderão leitores e audiência, mesmo entre os demo-tucanos, pois ficarão definitivamente com a pecha de mentirosos, para quem ainda acredita.

Para o leitor anti-lula se informar com informações oficiais demo-tucanas, basta entrar no site do PSDB, do DEMos, dos senadores de oposição, dos governos de oposição, não precisam da imprensa.

Jornais, rádios e TVs, ainda podem se dar ao luxo de contar versões deturpadas dos fatos, podem omitir, podem reduzir notícias ou amplificar de acordo com interesses políticos, mas não podem mentir, naquilo que todo mundo já está sabendo, senão, até eleitores demo-tucanos desistem de ler e ver. Não há texto capaz convencer um leitor diante de uma foto, que amarelo é azul.

As pessoas podem ser fanáticas pelo que torcem na política, mas querem ver o jogo com seus olhos, mesmo que seja para ela própria avaliar se um penalti foi ou não bem marcado, elas querem saber como foi a jogada.

Esse episódio já entra para história do jornalismo, igual houve o caso Proconsult, quando a Rede Globo insistia em publicar números mentirosos na apuração da eleição de Leonel Brizola, em 1982.

A imprensa rasgou qualquer código de ética jornalístico quando, em casos de confronto de palavra de um contra o outro, ou aparecem os fatos, ou quem acusa deve provar. Sem provas a pessoa acusadora é leviana.

Quando Dona Lina não apresentou uma data, nem hora, a situação piorou, pois a credibilidade fica reduzida à zero.

A imprensa mentiu quando construiu a imagem de Lina Vieira como alguém acima de qualquer suspeita. Escondeu que seu marido foi ministro de FHC. Escondeu que os senadores do Nordeste da oposição, quase todos são velhos conhecidos do marido de Dona Lina. Escondeu que ele respondeu processo por improbidade administrativa ao lado de Roseana Sarney. Ao esconder, não apenas omitiu, com mentiu, para que Dona Lina não ficasse com a "credibilidade" sob suspeita.

A imprensa tentou testar hipótese com o dia 19 de dezembro de 2008, ao vasculhar a agenda oficial e pública de Dilma, e deu se deu mal, pois viagens, tanto de Dilma, como de Lina, comprovaram ser impossível tal encontro naquela data.

A Pecha de mentirosos está sendo colada na imprensa, mas não podem reclamar. Fazem por merecer.

Fonte: Os Amigos do Presidente Lula

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

WAGNER GANHA COM FOLGA NA ESPONTÂNEA


Nesta sexta-feira (14), o grupo Bandeirantes de Comunicação confirmou os números da pesquisa de intenção de votos para o governo da Bahia que foram antecipados por este site. No levantamento estimulado, ao qual o BN teve acesso com exclusividade, Jaques Wagner e Paulo Souto empatam tecnicamente por conta da margem de erro. Mas, no levantamento espontâneo o atual governador aparece com 17%, seguido de Paulo Souto (DEM) com 8%, o ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) tem 4% e, por fim, ACM Neto (DEM) surge como uma “coringa” com 3% das intenções. Os votos em branco e nulo somam 68%. No quesito rejeição, o campeão é o ex-governador Paulo Souto, com 20%. Em segundo lugar, com 16%, aparece o líder do PMDB, Geddel Vieira Lima. Ele é seguido de perto por Wagner, que marca 15%.

(Daniel Pinto)

Fonte: Bahia Notícias


Bahia: Dilma 32% x 22% Serra

Bye-bye Serra 2010

O Conversa Afiada aceita a sugestão do amigo navegante Ronaldo e reproduz texto publicado no site Bahia Notícias:

Dilma desponta e lidera em dois cenários

A mesma pesquisa do instituto Vox Populi simulou o quadro da sucessão presidencial na Bahia. A ministra Dilma Rousseff (PT) lidera a espontânea com 32%.

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), tem 22%. O deputado federal Ciro Gomes (PPS) marca 16%. A vereadora de Maceió Heloísa Helena (PSol) aparece com 13%.

Os votos em branco atingiram 9%, enquanto 8% não souberam opinar. O cenário permanece quase o mesmo quando se substituiu Serra pelo governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB). Dilma continua com 32%, Ciro fica com 21%, Heloísa Helena com 13% e o tucano surge na lanterna com 7%.

Não souberam ou não quiseram opinar atingiram 15% e brancos e nulos 12%. Foram ouvidas 700 pessoas entre os dias 31 de julho e 3 de agosto.

Fonte: Conversa Afiada

BB ultrapassa Itaú, e quem seguiu Miriam Leitão perdeu dinheiro

O Banco do Brasil (BB) voltou a ser a maior instituição financeira do país e ultrapassou o Itaú Unibanco.

Com a fusão do Itaú e o Unibanco, o BB havia perdido a liderança entre os bancos brasileiros.

Contribuiu para o resultado o crescimento de 32,8 por cento na carteira de crédito em 12 meses, bem acima da expansão média de 19,7 por cento do sistema financeiro.

Enquanto os bancos privados restringiram crédito, o BB ampliou. Além disso o Banco do Brasil passou a oferecer linhas de crédito com taxas de juros bem menor do que os bancos privados à clientela (reduziu o spread bancário).

Foi a primeira mostra mensurável da pressão do governo federal de usar os bancos públicos como instrumento para baixar a taxa de juros do sistema, iniciativa apontada como detonadora da tumultuada troca de comando do BB, em abril.

O oráculo de Miriam Leitão não cumpriu a profecia

Mesmo com o aumento do crédito em plena crise, o índice de inadimplência do banco, embora tenha crescido de 2,5 para 3,3 por cento em 12 meses, ficou bem abaixo da média de seus principais rivais, contrariando as previsões de colunistas como Miriam Leitão. O índice do Bradesco, que restringiu crédito, ficou em 4,6 por cento.

Clientela troca bancos privados pelo BB e CEF, atraídos pelos juros mais baixos, prazos maiores, e menor restrição de crédito

Taxas melhores e facilidades de crédito levaram empresas e pessoas físicas a trocarem bancos privados pelo BB e CEF.

O aumento da clientela, aumentou os lucros.

Para o ministro da Fazenda, Guido Mantega, é bom que os bancos privados sigam os públicos, pois senão vão perder mais mercado, já que o banco público obteve esse resultado reduzindo as taxas de juros e elevando o volume de crédito. "Eles devem seguir o exemplo senão vão comer poeira", disse.

Mantega afirmou ainda que "não há irresponsabilidade sendo cometida e [o resultado] se dá com padrões de eficiência. É uma lição para os bancos privados”.

Analistas receberam os resultados do BB com elogios:

"A qualidade dos ativos (do BB) foi mais resiliente que a apresentada por seus concorrentes", disse em relatório o Bank of América Merrill Lynch, ao elevar o preço-alvo das ações do banco estatal.

"O resultado do BB veio acima das expectativas", fez coro a corretora Ativa, também em relatório.

Na bolsa de valores paulista, a ação do BB subia 2,58 por cento, no fim da tarde, também contrariando as previsões de Miriam Leitão.

Cuidado: o PIG pode fazer mal ao bolso

No início do ano, quando Mantega trocou o presidente do BB para praticar juros mais baixos, Miriam Leitão disse que iria prejudicar os acionistas. Quem investe em ações e seguiu a cabeça da colunista do Globo, perdeu dinheiro tanto nos dividendos (lucro), como no patrimônio (valorização das ações).

Números

Segundo o balanço do BB divulgado hoje, no segundo trimestre deste ano, os ativos totais foram R$ 598,839 bilhões (R$ 2,5 bilhões a mais que o Itaú), com crescimento de 43,9% em 12 meses.

No primeiro semestre de 2009, o Banco do Brasil registrou lucro líquido de R$ 4,014 bilhões. Se forem desconsiderados os efeitos extraordinários, o lucro recorrente chegou a R$ 3,3 bilhões de janeiro a junho, montante 7,5% superior ao observado no mesmo período de 2008.

Apenas no segundo trimestre, o lucro líquido atingiu R$ 2,348 bilhões, crescimento de 41% em relação ao do período de janeiro a março deste ano e de 42,8% sobre o do mesmo período do ano anterior.

Fonte: Os amigos do Presidente Lula

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Ato secreto era uma marca ACM/FHC




Azenha: descobriram o caos no Senado só agora?
Saiu no
blog Viomundo, do Luiz Carlos Azenha:

Demitam o estagiário
Corrijam-me se estou enganado.
O senador José Sarney presidiu o Senado pela primeira vez em 1995.
Depois, deu lugar a Antonio Carlos Magalhães, certo?
Para refrescar a memória:
ACM: Lula é o caos, afirma presidente do SenadoData: 03/06/1998Gazeta Mercantil
BRASÍLIA, 3 de junho – O presidente do Senado, Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA), criticou pesadamente os adversários do presidente Fernando Henrique Cardoso, relacionando qualquer alternativa à reeleição como “caos”. Ao final de cerimônia sobre a Semana do Meio Ambiente no Palácio do Planalto, Magalhães disse que vai participar “informalmente” em tudo que disser respeito à reeleição de Fernando Henrique. “A reeleição é uma coisa que o País deseja e é indispensável para a estabilidade do País, para a competência predominar na administração pública, porque fora daí seria o caos. Quem quiser o caos tem outras soluções. Mas quem quer a estabilidade, (a solução) é esta”, completou, referindo-se à reeleição.
Magalhães foi questionado se estava relacionando o “caos” com o candidato do PT à Presidência, Luís Inácio Lula da Silva, ou a Ciro Gomes. “Não falei sobre o Ciro porque ele não está numa disputa efetiva. Falei em relação ao Lula, com quem tenho também relações pessoais. Mas acho que o próprio PT sabe que o Lula não tem condições de governar o País”, disparou. O presidente do Senado também comentou o sobre desempenho de Fernando Henrique nas pesquisas, que indicam descontentamento da população especialmente com a área social. “Na área econômica o governo está muito bem. Na área social está fazendo muito, mas não está chegando ao conhecimento popular. Quando se faz a coisa e ela não chega ao conhecimento popular, evidentemente não se tem o devido lucro político”, observou. (Luís Eduardo Leal/AC, Invest News da Gazeta Mercantil)

O Viomundo observa:
Agaciel Maia era diretor do Senado desde 1995, certo? E agora acabam de descobrir 468 atos secretos iguais àqueles que quase custaram a cabeça do Sarney. Essa nova “safra” cobre os anos 1995-2000.
Perguntinha que qualquer estagiário de Jornalismo deveria fazer — não subestimando os estagiários: Ué, mas só descobriram o caos no Senado agora? Não tinha caos no Senado na época do ACM? Levaram 14 anos para descobrir o caos no Senado? Ou será que alguem iscou a mídia nesse assunto, conduziu-a pelas narinas como parte da campanha eleitoral de um dos candidatos a presidente? Como diz um amigo meu, levaram mais de uma década para descobrir que o Sarney é o Sarney. E ainda não descobriram que ACM foi ACM.


Striptease midiático

Confesso a vocês que, em meio século de vida, nunca vi coisa igual à guerra das tevês que ora beneficia o país. E sei que não faltarão os que dirão “feio” o barraco midiático estabelecido entre Globo e Record a partir da última terça-feira, mas, para este blogueiro, nunca se viu coisa mais útil na tevê.

Nesta quinta-feira à noite, o novo round veio de forma mais elaborada, lenta, revestido de alguma coisa que me fez lembrar de sensualidade, provavelmente pelo cair das vestes que se viu não apenas das duas emissoras, mas de todos os impérios de mídia do país.

Era como se Globo e Record, através dos minutos incontáveis de suas matérias de ataque uma à outra, fossem deixando, lânguidas, que os véus translúcidos que resguardam suas vergonhas caíssem um a um.

As duas emissoras começaram a se atacar exatamente ao mesmo tempo – tão logo terminou o horário eleitoral do PTC. A Record manteve os ataques por mais tempo do que a Globo.

Ambas arrastaram seu bate-boca ao Congresso nacional, mostrando que a briga realmente é de cachorro grande e de como foi na política que esses impérios de comunicação nasceram, cresceram e como chafurdam nela até hoje, mais do que nunca.

A Globo escalou seu time de parlamentares oposicionistas de sempre (Arthur Virgílio, Rodrigo Maia etc.) e o indefectível petista Eduardo Matarazzo Suplicy. Defenderam investigações logo depois do acordão que fizeram para pôr fim a elas no Senado, a Casa do Telhado de Vidro.

A Record respondeu com outro time de parlamentares maior e bem mais agressivo do que os que se apresentaram no Jornal Nacional para pedir “apuração” das denúncias contra a Igreja Universal. Os parlamentares da emissora de Edir Macedo citaram a Globo nominalmente sem parar, falando sobre os malefícios do monopólio da emissora carioca.

De resto, a Globo requentou informações de terça-feira sobre a denúncia do Ministério Público de São Paulo contra a Universal e a Record promoveu uma lacrimejante defesa do “dízimo” através de fiéis que teriam enriquecido valendo-se daquela prática cristã (dízimo), a qual a Record também lembrou ser comum em outras igrejas, como a católica.

No fim das contas, a nudez midiática revelou o que jamais os impérios de comunicação exibiram sobre si e revelou o quanto tinham a esconder. Acredito que o que mais chamou a atenção naquela nudez indecente foi o envolvimento da televisão com políticos, a mesma televisão que boa parte do público sempre acreditou apolítica.

Foi o striptease mais bem feito a que assisti, apesar de não ter assistido a tantos assim e de os outros a que assisti terem sido com stripers mais bonitas.

Fonte: Cidadania.com

Obra dos DEMos...


“Wagner está mudando as condições de saúde na Bahia”

O deputado federal Emiliano José (PT-BA) voltou a defender a saúde na Bahia em discurso na Câmara Federal (dia 12/8). Segundo o parlamentar, nos medicamentos de alto custo, o Governo Jaques Wagner triplicou o investimento em apenas dois anos, comparando com o que era gasto em 2006, no Governo Paulo Souto.
“Em 2008 foram investidos mais de R$ 94 milhões para viabilizar medicamentos de alto custo para mais de 45 mil pacientes. Até o final de 2006 havia uma fila de espera de quase dois anos para que um paciente com hepatite pudesse começar o tratamento pelo SUS na Bahia. A fila foi zerada por Wagner em julho de 2007”, afirmou.
Emiliano disse que o Governo Wagner está pagando ao Ministério da Saúde uma dívida de mais de R$ 7,2 milhões, gerada em função de a Secretaria da Saúde da Bahia, no governo passado, “ter feito inúmeras cobranças indevidas ao Ministério da Saúde relativas a medicamentos de alto custo”.
O deputado lembrou que Paulo Souto não contribuiu na abertura de nenhuma loja da Farmácia Popular do Brasil no âmbito do Estado e que as poucas que foram abertas tiveram exclusivamente a parceria entre o Ministério da Saúde e governos municipais. “A maior rede de farmácias do Brasil não teve apoio do governo passado. A Cesta do Povo, que Paulo Souto entregou falida, ao ser reativada por Wagner ganhou um novo serviço: a implantação de 26 lojas da Farmácia Popular”.
FIM DO MONOPÓLIO
“No Governo Paulo Souto havia um amplo esquema de empresas que prestavam serviços ao Estado. Eram essas empresas que detinham os contratos nos hospitais. A Bahia manteve, por mais de 10 anos, um monopólio na contratação de médicos através de uma única empresa, a Coopamed. O governo Wagner desmontou os esquemas, contratou novas empresas, aumentou os serviços prestados, ampliou os postos de trabalho e reduziu o custo desses serviços”, afirmou o parlamentar.
“O governo Wagner fez uma grande seleção pública em 2007 para contratos temporários para médicos e recentemente fez o primeiro concurso público para médicos na rede hospitalar estadual em mais de 10 anos, democratizando o acesso a esses postos de trabalho e acabando com a panelinha anteriormente existente. Nos dois primeiros anos de governo, contratou-se mais de 10.000 postos de trabalho para a rede pública estadual”, ressaltou.
Emiliano finalizou: “Wagner, em apenas um ano, concluiu 53 novas unidades de saúde da família. Através de convênios com os municípios e construções feitas pela CAR e CONDER, serão 400 novas unidades de saúde da família em quatro anos, a maior ampliação de rede básica já realizada em um único governo. O Governo da Bahia está efetivamente mudando as condições de assistência à saúde no Estado, superando a herança nefasta herdada da administração anterior”.

Fonte: Emiliano José

Geddel e PMDB faziam governo paralelo na Bahia, analisa Emiliano

Em entrevista concedida para a rádio Band News (dia 7/8), o deputado federal Emiliano José (PT-BA) falou sobre o posicionamento do PT em relação ao rompimento da aliança com o PMDB. O deputado disse que o ministro Geddel Vieira Lima rompeu com um “projeto de democracia e mudança profundas, de um governo republicano, democrático e popular como o de Jaques Wagner”.

“Nós derrotamos uma oligarquia que dominava a Bahia há algumas décadas, que nos levou a níveis sociais deploráveis. Iniciamos uma nova era, um novo projeto. Houve um grande esforço de Wagner para manter a aliança com o PMDB. Mas eu dizia já há algum tempo que não acreditava nisso, pois Geddel fazia uma espécie de governo paralelo. Não havia nenhuma atitude solidária com o Governo Wagner, nenhum elogio. Governo do qual ele participava com duas secretarias absolutamente importantes”, acentuou.

Emiliano disse que não houve uma “gota d’água” específica para esse rompimento e, sim, um acúmulo de procedimentos do PMDB, que resolveu tocar outro projeto. “Wagner teve muita paciência e uma atitude muito civilizada. É um cidadão que respeita as diversidades e não olha para filiações partidárias. Não há atitude do governo em boicotar ninguém. Nosso presidente do PT-BA, Jonas Paulo, também sempre foi muito cuidadoso na relação com o PMDB. Mas houve provocações de todas as naturezas, grosserias de baixíssimo nível. Mas todos nós sabíamos o que estava ocorrendo, já estava evidente. Agora vamos seguir com nossa perspectiva de continuar as mudanças profundas na Bahia e lutar para reeleger o governador Jaques Wagner”.

Quanto às eleições de 2010, Emiliano disse não prever um clima de bate boca. “Não vamos trabalhar na linha de retaliação. Não queremos ‘baixar o nível’. Vamos apresentar resultados do governo, o que estamos fazendo na Bahia. Vamos destacar a importância do programa Água para Todos, que está mudando a vida do povo baiano; o Todos pela Alfabetização (TOPA), o maior programa do gênero em todo o País; as mudanças na infra-estrutura. Vamos discutir projetos para mostrar como estamos mudando o Estado”.

O parlamentar encerrou dizendo que o PT não quer nenhum aliado com o estilo de Geddel Vieira Lima. “Queremos companheiros como o presidente Lula e o governador Jaques Wagner. Pessoas que querem discutir projetos, pois pretendemos continuar com as transformações profundas”.

Ouça a entrevista na íntegra:
http://www.midiaclip.com.br/midiaclip/arquivoClipagem.php?id=324457

Emiliano (PT-BA) critica o DEM e defende cotas para negros nas universidades

Na Câmara Federal, o deputado Emiliano José (PT-BA) se pronunciou (11/08) contra o DEM, que investe contra a política de cotas para negros na universidade. “A Casa Grande não descansa. A qualquer movimento da senzala, a Casa Grande esperneia, fica toda ouriçada, à beira de um ataque de nervos. Foi o que ocorreu com o DEM recentemente. Inconformado com o acesso de jovens negros à universidade, resolveu entrar com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) com pedido de liminar destinada a eliminar as cotas raciais na Universidade de Brasília e, quem sabe, com tal iniciativa, tomar outras medidas contrárias às cotas em todo o País”. O DEM é um fiel interprete do pensamento conservador. É sempre contra o povo. Felizmente, o STF decidiu rejeitar a liminar requerida pelo DEM.“Orgulho-me de a Bahia, meu estado, contar com duas universidades que adotam vitoriosamente o sistema de cotas: a Universidade do Estado da Bahia (UNEB) e a Universidade Federal da Bahia (UFBA). A proposta de cotas proposta pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC) é derivada da proposta da UFBA, que tem à frente um extraordinário reitor, Naomar de Almeida Filho, um dos mais revolucionários reitores do País e um dos mais ousados pensadores da educação do Brasil. Lembro, para mostrar o quanto as cotas são importantes para o meu Estado, que os negros e negras da Bahia representam 76% da população”.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Coitada da Marina Silva...


Deputado do PV de SP mostra
como
Serra funciona: um horror!

Paulo Henrique Amorim: O Conversa Afiada aceita a sugestão do amigo navegante Geraldo S. Chaves e reproduz entrevista do deputado estadual Capitão Olímpio ao blog Outro Lado da Notícia:
Deputado rompe com o PV e alerta Marina
Em entrevista ao Brasília Confidencial, o deputado estadual Major Olimpio, de São Paulo, acaba de romper com o PV. Em entrevista ao Brasília Confidencial, ele afirma que o PV abre mão até de seus projetos ambientais em nome de um “apoio cego” à aliança PSDB-DEM. Rebelado desde o início do mandato, em 2006, Major Olímpio aponta o fisiologismo do partido e a censura que o PV impôs a suas denúncias contra o Governo José Serra (PSDB). Para a senadora Marina Silva (PT), que pode fazer o caminho contrário, aderindo ao PV para concorrer à Presidência da República, ele manda um recado: “Você não merece esse engodo”.
Policial militar por 29 anos, eleito em 2006 pelo PV com 52.386 votos para a Assembleia Legislativa de São Paulo, o deputado fez um acordo com o partido e ficou com o mandato, depois de alegar justa causa para deixar a legenda. PT, PDT, PSOL e PTB estão sondando o deputado, que adianta: “Não vou simplesmente trocar de cela”.

O senhor deixou o PV ou foi o PV que o deixou? Eu deixei o PV. Entrei com uma ação na Justiça, inclusive, alegando justa causa. Depois, recentemente, eles me procuraram para um acordo. Fiquei com o mandato e retirei a ação.

O que o senhor alegou nessa ação? Até as censuras e discriminações que sofri. Para você ter uma idéia, eu fui proibido de fala em nome do partido. Fui excluído da vice-liderança… O caso é que, nas eleições passadas, o PV teve candidato próprio em São Paulo e, portanto, não compunha a base de apoio do José Serra (PSDB). Então, legal e moralmente, não há nenhum compromisso do PV com esse governo.

O senhor faz oposição isolada ao governador Serra. Como isso começou? Eu não poderia jamais, como filho de servidor, como policial durante 29 anos em São Paulo, me prostrar diante desse desmonte, desse absurdo que o governador tem feito no serviço público, na polícia. Eu não me elegi para me prostrar diante do governador. O PV fez isso em troca de um cargo, de uma Secretaria de Assistência Social. E em troca de duas secretarias do aliado de Serra, o prefeito Gilberto Kassab (DEM). Eu descobri que a candidatura do PV foi um jogo de cena. Eu entrei nessa porque nunca tive muita habilidade política, nessa política de cartas marcadas. Em minha vida, eu passei 29 anos na polícia, correndo atrás de bandidos. Eu não soube entender que era tudo uma grande armação. Foi uma campanha armada para que eles se jogassem depois nos braços de Serra e Kassab.

Como o senhor percebeu isso? Logo no começo do mandato eu entendi. Meus sete colegas de bancada votaram em favor de vetos de Serra a projetos ambientais. Um deles era para a despoluição dos rios. Olha, eles se esqueceram até dos princípios ambientais. É uma obediência cega ao Serra. Chega ao absurdo, ao desrespeito absoluto ao eleitor. Eles (os deputados do PV) nem comparecem muito às sessões. Por causa do meu comportamento, fui destituído da condição de vice-líder e nem podia mais falar pelo partido nas sessões. Eu virei um deputado zumbi. CPIs, então, nem pensar. A coisa que eu mais aprendi na minha carreira policial foi investigar bandidos. Mas nunca vi uma CPI nessa Assembleia de São Paulo. Até meus projetos o PV mandou que eu retirasse. Um deles, por exemplo, previa melhorias nas condições salariais dos policiais, que é o meu setor eleitoral. Queriam me destruir no meu segmento.

O senhor propôs uma CPI para investigar o Governo Serra? Sim, em 2007. Vou falar disso porque tenho informações fidedignas. As tropas me informam de tudo e eu documento. Mas não consegui assinaturas suficientes para uma CPI. O fato é que os helicópteros da Polícia Militar viraram táxi-aéreo de “aspones” e secretários do governador. Para você ter uma idéia, houve um sábado (em 2007) que o Goldman (Alberto Goldman, vice-governador de São Paulo) pegou seus chinelinhos e seu cachorro e chamou um “táxi-aéreo do governo”, que era, na realidade, um helicóptero de resgates da PM, para ir passear em Campos do Jordão. E isso ainda acontece nesse governo. As madames, mulheres dos usuários desse “serviço”, reclamaram então que nos helicópteros havia fuzis e elas não gostavam dos fuzis no seu táxi-aéro. Mandaram tirar; e a PM teve que retirar. Olha, isso é o fim do mundo. Fico revoltado, porque esses helicópteros devem servir para as ações policiais, não para transportar madames nem gente que quer passear com o cachorrinho em Campos do Jordão, nos sábados ensolarados. Mas o PV me mandou calar a boca.

E o senhor não denunciou de outra forma? Sim, pedi a CPI e também denunciei o caso à Procuradoria da Justiça do Estado de São Paulo. Sabe qual foi o resultado? O parecer foi de que esse uso dos helicópteros pelo governo é legítimo. Mesmo com as aeronaves de socorro. Então, o governador pode tudo.

Houve alguma outra situação em que o senhor ficou indignado? Muitas. Quando houve a inundação no Maranhão, São Paulo mandou 30 bombeiros para lá. Eles foram enviados em um avião da FAB. Ajudaram e tal. Na volta, não tinha mais como eles voltarem no avião da FAB. Sabe o que o governo paulista fez? Nada. Os 30 bombeiros passaram três dias molhados, feridos, cansados, no aeroporto do Maranhão. O governo paulista não queria pagar passagens para os 30 bombeiros voltarem para suas casas, depois dessa missão autorizada. No último dia 3 eu fiz essa denúncia no Plenário. Sabe como eles voltaram? Nós, policiais, pagamos as passagens para os colegas com um fundo nosso mesmo, que mantemos para garantir café e bolachinhas nos quartéis. Nós, policiais, pegamos desse dinheiro e pagamos as passagens para os colegas. Na volta, eles nos contaram que não receberam sequer as diárias pelos dias que passaram lá, ajudando a salvar vidas. Como é que eu, um policial por 29 anos, posso apoiar esse governador?

O senhor já decidiu seu futuro político? Vai se filiar a um partido de oposição? Olha, por enquanto, só tenho duas certezas: nunca mais o PV nem o PSDB e seus apoiadores. Eu não posso sair de uma cela para entrar em outra cela. Tenho até o dia 30 de setembro para decidir. Fui convidado pelo PT, PSOL, PDT, PTB. Eu me dou muito bem com o PTB, por exemplo, mas eles também apóiam o Serra. Então, eu vou avaliar isso muito bem, porque agora o mandato é meu, não do PV.

Nesse momento em que o senhor rompe com o PV, a senadora Marina Silva (PT) avalia a sua adesão ao partido para garantir uma bandeira ambiental para disputar a Presidência da República. O senhor daria algum recado à senadora? Muito claramente: Marina, pense muito bem. Você tem uma história de vida… Os princípios do PV são fantásticos no papel, na conversa. Mas não são reais. Você não merece esse engodo.

Assista ao vídeo do Deputado em plenário da Assembléia Legislativa.


Fonte: Desabafo Brasil

A "objetividade" da imprensa

Banner: LILI ABREU - lili.abreu10@gmail.com

É inacreditável como a imprensa está cobrindo a operação Pacenas da Polícia Federal (PF) a respeito do esquema de fraude nas licitações em obras do PAC - um desvio dos cofres públicos de cerca de R$ 400 milhões - em Cuiabá e em Várzea Grande (MT). Já estão presos nada mais, nada menos do que o procurador geral da prefeitura de Cuiabá e mais quatro servidores, membros das comissões de licitação da Companhia de Saneamento da Capital, mais outros funcionários da prefeitura de Várzea Grande, além dos empresários e executivos envolvidos no esquema. A mídia noticia, mas esconde que Cuiabá é governada pelo tucano Wilson Santos - sim, é um prefeito do PSDB. Já Várzea Grande (cidade vizinha à capital matogrossense) é governada por Murilo Domingos do PR. Imaginem vocês! Se fossem prefeituras do PT, o nome do partido estaria estampado nas manchetes, com a legenda citada em todos os parágrafos... Mas neste caso não. Você lê a matéria do início ao fim e não encontra nenhuma menção ao nome do prefeito, muito menos de qual partido é, nada sobre a legenda que governa a cidade. Isso sim é objetividade jornalística! Zé Dirceu.

Fonte: Desabafo Brasil

Operação Pandemia

Acessos